Pular para o conteúdo principal

Arteterapia auxilia pacientes com Alzheimer

Por Bruna Romão - bruna.romao.silva@gmail.com 
Edição Ano: 45 - Número: 126 - Publicada em: 08/12/2012

São Paulo (AUN - USP) - A utilização da arte como terapia para o Mal de Alzheimer pode auxiliar os pacientes a se expressar, além de contribuir para a redução da depressão e isolamento dos idosos atingidos pela doença. “A arteterapia pode oferecer momentos de descontração e relaxamento, valorização e apoio, sem focar as dificuldades próprias da idade”, relata a arteterapeuta Eliana Cecilia Ciasca, do Centro de Estimulação para Idosos do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). A terapeuta participou, na última segunda-feira, 3 de dezembro, do Simpósio Internacional Linguagem e Comunicação na doença de Alzheimer, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Comportamento (NEC) do IPq.
Eliana Cecília retoma o importante papel da arte no desenvolvimento do ser humano. “Desde o início da civilização o homem sempre se expressou através de imagens”, lembra. Desde a pré-história, a arte tomou diferentes atribuições para a vida do homem, chegando até os sentidos constatados hoje, entre eles especialmente as impressões do que se está sentindo.
“A arte pode nos transmitir muito”, comenta a arteterapeuta. Segundo ela, a arte pode transmitir uma série de informações, tanto pelo “produto final” quanto pela forma pela qual o paciente a realiza. “Se o paciente é observado, é possível perceber a evolução da doença”, explica. A arteterapia envolve recursos expressivos como mediadores terapêuticos. “A arte é usada como terapia porque possibilita concretizar pensamentos, sentimentos e imaginação por meio da criatividade”, ela relata. “A proposta das oficinas é trabalhas as habilidades remanescentes”, completa. As oficinas para os pacientes com Alzheimer têm por objetivo estimular sentidos e sensações, além de também descobrir e explorar novas capacidades. “Muitos pacientes redescobrem outras possibilidades além do que faziam em suas atividades profissionais.”
A partir de atividades lúdicas e oficinas como pintura, colagem, desenhos e atividades que envolvam o desenvolvimento da função motora, percepção visual e exploração dos sentidos, a arteterapia promove a aceitação de si e do outro, auxiliando na melhora da auto-estima e qualidade de vida do paciente, ao propiciar um momento de interação e relaxamento.
Fonte: Faculdade de Medicina - USP 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…