Pular para o conteúdo principal

Ponto e linha 04




Não apagar a memória

Não é apenas a morte de Michael Jackson que ocupa a imprensa. Outro astro, desta vez um astro das artes visuais, também tem sua morte rendendo o que, hoje, chamam-se notícias. A possibilidade de suicídio do artista Dash Snow chama, agora, as atenções dos novaiorquinos interessados nesta área, pelo menos. Este artista teve seu nome citado por aqui a propósito de que havia sido homenageado pelos Os Gêmeos no painel que os grafiteiros... Ooops! Painel que os pintores brasileiros fizeram, cobrindo outro do falecido Keith Haring. Este preâmbulo é para comentar a proposta de “apagamento” dos painéis que temos nos corredores do Departamento de Artes (UFRN). São painéis realizados nos anos oitenta pelos então alunos do Curso de Educação Artística: Carlos Sérgio Borges, João Antônio, João Natal, Marcelino Medeiros (já falecido) e pelo convidado Jayr Penny. Hoje, estes nossos ex-alunos são artistas bem sucedidos qualitativamente e ocupam espaços institucionais importantes. João Natal é um dos coordenadores do setor de pesquisa da Fundação José Augusto. João Antônio é uma espécie de secretário de cultura, em Currais Novos. Carlos Sérgio (leia nota a seu respeito abaixo) é um dos mais atuantes artistas visuais (em geral, realiza mais de uma exposição individual por ano), com expressiva participação em projetos relacionados à dança, ao teatro e aos grandes espetáculos públicos (inclusive fora do RN).
A pergunta é: se, em função da criação da Galeria do DEART, no espaço onde se encontram os painéis, é preciso cobri-los, raspá-los ou seja lá que procedimento se tome, como fazer para não perdê-los totalmente? A minha sugestão é a de que sejam feitas fotografias para reuni-las em um catálogo decente. E você? O que sugere?

Ilustrando esta edição, imagem de desenho “Curumim” (1981), de João Natal, que incluí na exposição “O desenho no Rio Grande do Norte” (SESC-2008).

Os professores Marcos Andruchak e Fábio Nunes, do DEART, tiveram projetos aprovados pelo Edital Tecnologia – Apoio à Produção e Divulgação das Artes Visuais em Novos Suportes Tecnológicos, da FAPERN. Este fato tem significado especial em termos da presença do DEART na comunidade artística local. Parabéns a todos!

O Iate Clube Natal, um novo espaço de divulgação dos artistas, abriu na terça passada (dia 28) exposição com trabalhos de alunos do fotógrafo Hugo Macedo. A exposição se chama “Olhares”.

Já no Bar Por do Sol, que fica em frente ao Iate Clube Natal, nas Rocas, será aberta nesta quinta, dia 30, a exposição “Clorocromados”, de Eduardo Alexandre, pintor que vem desenvolvendo consistente trabalho abstrato. Expressionista abstrato, mais precisamente. Desta vez, o artista ataca de verde!

Também nesta quinta, 30, o Nalva Melo Café Salão comemora 10 anos, abrindo uma coletiva (permanente) com trabalhos de Dickson Tavares, Guaraci Gabriel, Jota Medeiros, Marcelus Bob, Marcelo Fernandes, Pedro Pereira, Wendel Gabriel e Zaia.

Véscio (Subhadro) Lisboa convida todos para interagir no blog http://centroreciprocidade.zip.net. Confira.

Uma sugestão da ANPAP é visitar os “Circuitos compartilhados: registros de ações artísticas em circuitos autodependentes”, no site http://circuitoscompartilhados.org/wp.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…