Pular para o conteúdo principal

Fé construtivista




A exposição de Rolim, “A industrialização do Santo Cristo”, em cartaz até dia 21, na Capitania das Artes, é algo a ser conferido. Desenvolvidas a partir de uma matriz construtiva, as séries de desenhos a nanquim sobre cartão estabelecem um interessante equilíbrio entre figuração e abstração. O esforço figurativo, com base na construção geométrica a instrumentos, remete à noção primordial que levou Picasso e Braque a desenvolverem o cubismo, tendo declarações de Cézanne como fios condutores. É verdade que Rolim, não obstante o obsessivo exercício de elaboração da mostra – ele desenvolveu centenas de desenhos dos quais foram selecionados trinta, mostra uma ingenuidade figurativa que certamente não se encontra no trabalho dos pais do cubismo, mesmo que eles quisessem. Tal ingenuidade não compromete a obra, porém, dado que a variedade de achados formais, compositivos em particular, surpreende a cada desenho. Por outro lado, certas peças articulam soluções maduras, como na série “Processo industrial do sangue”, lembrando (muito) obras gráficas de Picabia. Nesta série, que representa maquinismos semelhantes a apetrechos laboratoriais de física ou química, e em alguns outros desenhos, o olhar é levado a “reconhecer” elementos de figuração e, com isto, fazer o observador aproximar-se do complexo jogo conceitual que orientou a criação da obra.
Rolim procura fazer conjeturas “frias” (geométricas) sobre questões da religiosidade cristã por meio de abordagens de temas que vão de personagens (Cristo, Maria Madalena – veja a imagem desta última) aos mitos (Santo Graal) e até às projeções encontradas no “Processo industrial do sangue” ou no emblemático “Soldado americano”, este que “atualiza” o soldado romano. No percurso, o artista pode deixar entrever convicções e dúvidas relacionadas à sua própria relação com a mitologia cristã, assim como suas censuras ao catolicismo e ao protestantismo mercantilizados. Na verdade e ao fundo, trata-se de uma espécie de luteranismo reeditado e ampliado à luz da contemporaneidade.
Como disse, a relação entre tratamento artístico e substrato conceitual se organiza ou se desorganiza segundo uma complexidade cuja ausência de linearidade dificulta uma apreensão estável. É possível, entretanto, sintetizar a coisa como uma reflexão sobre como a fé religiosa tem sofrido mutações em direção a uma hipocrisia mercadológica. Acima deste imbróglio hagiográfico, salva-se muito bem o esmerado trabalho gráfico do artista. Isto significa que o discurso verbal em torno da temática perde definitivamente o seu significado diante do conteúdo formal da obra, esta que confirma ou dá continuidade à pesquisa construtiva desenvolvida por Rolim.

Ponto e linha

Continua em exibição no Natal Shopping (sala ao lado da C&A) a exposição Dorian Gray: o operário que ama, numa promoção do SESC-RN. A exposição, que fica naquele espaço até dia 17, será levada posteriormente a Mossoró e Caicó.

A artista paulistana Evelyn Gumiel, há pouco residindo em Natal, fará individual a partir do dia 15, quarta-feira próxima, na galeria do teatro de cultura popular. A exposição constará de trabalhos em aquarela e giz de cera sobre cartão, caracterizados por vigorosa gestualidade.

Guaraci Gabriel, Afonso Martins, Marcelo Amarelo, Francisco Gileno, Jean Sartief, Júlio Castro e Wendell Gabriel compõem grupo de artistas que mostram trabalhos na Bienal de Havan, aberta no último dia 27. Os trabalhos em fotografia, pintura e instalações discutem o tema identidade.

O NAC tem inscrições abertas para oficinas de técnicas mistas que serão ministradas pelo artista Isaías Ribeiro e começam na sexta, dia 17. O NAC também convoca artistas e grupos artísticos a atenderem ao edital para seleção de mostras que ocuparão a Galeria Conviv’art, em 2009. O edital está disponível em www.nac.ufrn.br.

Vicente Vitoriano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…