Pular para o conteúdo principal

Anarquia ideológica exposta

Por: ASTIER BASÍLIO

IDENTIDADE CULTURAL - Chico Pereira afirma que o projeto não tem qualquer compromisso com a arte tradicional
O primeiro painel tropicalista feito na Paraíba teve a assinatura de Chico Pereira. Adesismo de primeira hora? De modo nenhum. O artista sempre foi antenado. Prova disso é sua mais recente exposição, ‘Conexões Desconexas 2’, montada na Usina Cultural Energisa, em João Pessoa. São 15 ambientes ou nichos. A curadoria é do também artista plástico Dyógenes Chaves.
“A galeria se transformou em uma verdadeira instalação”, afirmou o curador. Quer ter uma idéia de como o trabalho foi montado? Em um ambiente, temos a fusão de fotografias do guerrilheiro Che Guevara e cantor Roberto Carlos? A idéia é mesmo colocar signos em colisão. Já imaginou ir a uma privada e ao levantar a tampa se deparar com ícones das artes plásticas? ‘Conexões Desconexas 2’ traz não só esse deslocamento, mas uma série de outras ressignificações.
A exposição é patrocinada pela Usina Cultural Energisa. O trabalho coincide com o projeto NAC 30 Anos: Sobrevivendo nas Trincheiras (Rede Nacional de Artes Visuais/Funarte/Minc). A primeira edição do ‘Conexões Desconexas’ foi iniciada no próprio NAC em 2002 e apresentada na Pinacoteca da Universidade Federal de Alagoas, em Maceió, no ano passado. A mostra evidencia apenas uma face da obra de Chico Pereira, não por acaso pouco conhecida entre nós.
Não é fácil encontrar uma definição para o trabalho. O curador Dyógenes Chaves arrisca uma: “Trata-se de um arquivo de idéias, documentos e objetos, que tem origem no exercício de observação cotidiana realizado pelo artista e engloba desde fatos nas áreas da política e da comunicação até uma profunda pesquisa da cultura popular. Nada escapa ao seu trabalho de memorialista às vezes, irônico e sarcástico deste mundo contemporâneo cada vez mais escravo da ‘ditadura da imagem visual’ e das efemeridades que nos assolam”.
Para Chico Pereira ‘Conexões Desconexas’ “é apenas um capítulo de um projeto mais abrangente a que chamei de ‘Memórias e anotações’, que possui certa anarquia ideológica e nenhum compromisso com a angústia do perfeccionismo da arte tradicional, embora, ao mesmo tempo, seja comprometida com a história humana e com meu livre pensar como artista’.
Dyógenes Chaves ao se referir ao trabalho de Chico Pereira utiliza o termo “site specific”. De acordo com a Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais, o termo “sítio específico” faz menção a obras criadas de acordo com o ambiente e com um espaço determinado. Trata-se, em geral, de trabalhos planejados - muitas vezes fruto de convites - para um certo local, em que os elementos esculturais dialogam com o meio circundante, para o qual a obra é elaborada”.
Para Dyógenes, na exposição Chico Pereira claramente “convoca o espectador a enveredar nos meandros da própria história da arte em busca de algumas das perguntas (e respostas) que dão sentido à construção de nossa identidade cultural”.
Chico Pereira nasceu em Campina Grande, mas há décadas está radicado em João Pessoa. É artista plástico, designer gráfico, professor do Curso de Artes Visuais da UFPB e crítico de arte (ABCA). Desde os anos 1960, tem participado ativamente de movimentos culturais na Paraíba. Integrou a equipe de implantação do Museu de Arte de Campina Grande, que dirigiu entre 1969-74.

Disponível em : http://jornaldaparaiba.globo.com/v2008/vida.php?id=22690&IDNOT=6&rqv=y


Karlene Braga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…