Pular para o conteúdo principal

Lojas de moda e decoração apostam em conexão com a arte

12/11/2008 - 18h15

CHRIS CAMPOS
Colaboração para o UOL

Chris Campos/UOL


Quadro à venda na loja recém-inaugurada Teu é o Mundo

FotosFOTOS: LOJAS QUE APOSTAM EM CONEXÃO COM A ARTE



Há um movimento interessante acontecendo em algumas lojas paulistanas de moda e decoração. São endereços em que as atrações vão além das prateleiras de produtos e das seleções de peças do gênero "arroz com feijão". Nesses espaços, motivações artísticas e conceitos variados extrapolam o consumo tradicional. Movimentam coleções e atiçam o interesse do consumidor que quer fugir do que "todo mundo já tem" e de modinhas massificadas.

É o caso de espaços abertos há pouco tempo em São Paulo, como a Casa de Quem?, especializada em moda, e a Teu é o mundo, que vende peças decorativas. Na primeira, a arte está permanentemente incluída na programação. Camisetas, vestidos e calças (muitos com estampas criadas por artistas plásticos e ilustradores) disputam espaço com intervenções no chão e nas paredes, feitas por artistas convidados. Além do espaço da loja, há ainda uma galeria de arte bem fornida de obras de novos artistas e atualizada a cada mês. Tudo isso concentrado numa casinha fincada no "Baixo Augusta" - área entre a avenida Paulista e o centro da cidade, apelidada assim pelos seus freqüentadores. "A casa está sempre em movimento e a idéia de reunir arte e roupas é uma maneira de democratizar o trabalho de artistas bons que nem sempre encontram espaço nas grandes galerias da cidade", diz um dos sócios, o estilista Mario Mantovanni.




Paredes pintadas por artistas e chão customizado com lambe-lambes: atrações da mutante Casa de Quem?



Na recém-inaugurada Teu é o Mundo, no bairro dos Jardins, o atrativo é o olhar artístico do dono, o cenógrafo Frank Dezeuxis - que resolveu reunir no espaço um acervo de peças decorativas únicas. Assim, quem aparecer por lá pode se encantar tanto por uma tela garimpada numa casa com placa de "Família vende Tudo" na porta quanto por um original de Anita Malfatti. O principal é que cada um dos objetos à venda tem uma história interessante por trás. Frank não só busca peças muito especiais como também pesquisa a história, descobre quem fez, quando e em que contexto. Entretenimento perfeito para um público avesso a mesmices.

Já a loja de moda feminina Flor iniciou nesta semana a primeira fase de um projeto que deve se entender para as próximas coleções. A estilista da marca, Juliana Fregonesi, encomendou ao artista plástico Gabriel Nehemy uma linha de camisetas com estampas inspiradas em uma de suas séries de pinturas, "Flores Fragmentadas". A idéia é que, a partir de agora, toda coleção tenha uma linha criada por outros artistas plásticos convidados.

Entre os endereços que aliam arte com moda há mais tempo, merece destaque a Surface to Air. A grife, filhote brasileiro da original parisiense, é um mix de agência de publicidade e loja de roupas - que mescla marcas famosas, etiqueta própria e novos estilistas brasileiros. "Vendemos um conceito, um estilo de vida", explica um dos sócios, Sebastian Orth. "A idéia é atrair o consumidor com eventos inteligentes, que vão além do lançamento das coleções da loja". Assim, em vez de convidar os clientes para conhecer tênis recém-chegados às prateleiras, eles organizam exposições de arte ao longo do ano inteiro. Só em 2008 aconteceram duas especialmente interessantes: uma mostra coletiva de novos artistas no primeiro semestre, e a Lápis Lapin, encerrada em outubro, e recheada de pinturas, desenhos e ilustrações de artistas já conhecidos, com renda revertida para o Peta. Resultado: os freqüentadores vão à loja, conferem os produtos, mas, de quebra, também têm direito a um programa cultural dos mais simpáticos.

Interior da Loja do Bispo, da artista plástica Pinky Wainer

A Loja do Bispo, pilotada pela artista plástica Pinky Wainer, não promove exposições. Mas aposta, desde a estréia, em objetos e livros com apelo artístico. A seleção dos produtos é guiada pelo olhar da dona. Há muitas peças-únicas e é possível garimpar, entre um item curioso e outro, gravuras, ilustrações e louças pintadas por artistas. Outra loja que já nasceu com ingredientes extras no DNA é a Livraria Pop, no bairro de Pinheiros. A seleção de livros, camisetas, objetos de decoração e badulaques diversos encontrados no espaço segue o princípio de ter um apelo especial. O responsável pela variedade encontrada nas prateleiras é o proprietário, Roger Bassetto. "O critério de seleção segue um princípio básico: criatividade, arte e senso de humor", explica. "O que garante o ar de exclusividade das peças é a diversificação dos fornecedores e também meu olhar pessoal". Na Pop, os clientes também têm direito a programação dupla - compras e arte -, pois a galeria do espaço funciona durante o ano inteiro, com exposições renovadas mensalmente. Este mês, está em cartaz a "São Paulo no logo", com fotos assinadas por Tony De Marco e inspiradas na lei Cidade Limpa.

Na Plastik, a arte também é o foco das atenções. A loja oferece uma seleção variada de bonequinhos de toy art e uma linha de roupas exclusivas de streetwear - que segue linguagem semelhante a das exposições realizadas da galeria do espaço, no andar superior da loja. Ilustrações, desenhos e grafites podem ser conferidos por lá em mostras atualizadas sem uma periodicidade específica.

No álbum de fotos você confere detalhes de cada uma das lojas.

Disponível em : http://estilo.uol.com.br/ultnot/2008/11/12/ult3617u7160.jhtm

Karlene Braga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…