Pular para o conteúdo principal

Geração Videogame

Imagem da instalação de Gabriel Braga, que fica em cartaz no Sesc Pinheiros de 13/11 a 2/12/2007.
O projeto Cubo de Ensaio vai transformar o prédio do Sesc Pinheiros num espaço de experimentação artística, com quatro projetos que apresentam processos de criação em arte contemporânea. O artista plástico Gabriel Braga integra o Cubo com oficinas e a instalação A Gente Olha para o Outro do Lugar em que a Gente Está. Por meio de recursos multimídia, o espectador pode participar de uma espécie de roteiro interativo. Na entrevista abaixo, Braga fala sobre o trabalho e suas influências:
Como surgiu o A Gente Olha para o Outro do Lugar em que a Gente Está?
É um trabalho inédito. Eu já tinha esse projeto faz tempo, mas como ele envolve ator, filmagem em estúdio, enfim, uma infra-estrutura muito grande, eu, como artista plástico, nunca consegui fazer. No início do ano eu recebi o PAC (Plano e Ação Cultural) da Secretaria do Estado da Cultura e aí pude realizar o projeto. Montei mas nunca consegui achar um espaço para exibir, até que levei ao Sesc.
A instalação passa por mudanças no decorrer da exibição?Ela tem duas mudanças relacionadas ao processo. A primeira é o DVD, que reúne vários trechinhos de uma história, todos interligados. Eles ficam rodando infinitamente, até alguém mexer. Cada vez que o espectador interagir, ele vai rodar de outra maneira. Outro ponto é que eu também vou dar oficinas, produzindo vídeos. À medida em que eles ficarem prontos, eu vou colocar dentro dessa trama, que é cheia de caminhos ocultos e variáveis.

Cerimônia do chá, uma tradição japonesa, que Braga faz referência na obra



A interatividade atrai o público para a obra?

Acredito que sim. Eu espero que as pessoas se aproximem, pois a instalação traz um bombardeio de informações. No mundo das artes plásticas, parece que temos de andar junto com a cabeça do público, pois a capacidade de se entediar é muito grande. Entretanto, também é perigoso banalizar as artes. É uma linha tênue que separa as duas coisas.

A minha geração cresceu com o videogame”. Cena do game Final Fight, lançado em 1989. Clássico dos fliperamas nos anos 90.

Qual é a relação que a obra propõe com o espectador?
A minha idéia era conseguir a interação com o público, por isso quis fazer um vídeo bem sedutor do ponto de vista técnico. Como ele também será exposto na internet, deve chamar a atenção de adolescentes, graças à sua estética de videogame. Mas tem um contraponto que é a cerimônia do chá, uma tradição japonesa, super parada, onde demora séculos para acontecer um movimento. Tem uma explosão de cores que lembra o mangá. Ao mesmo tempo em que a obra seduz, eu também quero exigir um pouco do público para que ele entre em contato com a obra inteira.


Estética de videogame e bombardeio de informações

Boa parte dos seus trabalhos é em vídeo… Essa é uma linguagem que se adequa ao seu trabalho?


Eu sempre me fascinei muito com o vídeo, desde criança, embora também faça pintura. Na verdade, o vídeo é um suporte, tanto que eu chamo o projeto de vídeo gravura, pois na gravura há várias camadas onde você estampa, e eu estou fazendo esta obra com o mesmo princípio. A minha geração cresceu com o videogame, e eu sempre fui super tecnológico. Fico fascinado em mandar um arquivo do computador por bluetooth. Lembro quando eu falava com meu pai “como assim não tinha TV quando você era pequeno?” e hoje, dou aula de educação artística para crianças e elas falam “como assim não tinha MSN quando você era pequeno?” (risos).



CUBO DE ENSAIO - A Gente Olha para o Outro do Lugar em que a Gente Está Gabriel Braga



Eis uma proposta que articula arte, videogame e cultura japonesa. Muito interessante!!!

A exposição aconteceu em novembro de 2007, no Sesc Pinheiros


Fonte:


http://mostrasesc.wordpress.com/2007/11/12/geracao-video-game/ (Erinaldo Alves)

video

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…