Pular para o conteúdo principal

Pilar e o abandono do Engenho Corredor



Fotos: Erinaldo Alves
Segue adiante um artigo, de minha autoria, publicado no Jornal da Paraíba, no dia 30.06.2008. Além da postagem feita aqui no blog, tentei ecoar minha voz em outros canais.


Tive o privilégio de ler, ainda adolescente, os romances de José Lins do Rego. Suas páginas povoaram a minha mente com imagens de Pilar e do Engenho Corredor, o “Santa Rosa”. Recentemente, confrontei a imaginação com a observação ao participar de uma “expedição fotográfica à cidade de Pilar/PB”, programação do “ano cultural José Lins do Rego” - promovida pela Secretaria de Educação do Município de João Pessoa.
A cidade de Pilar, fundada em 1885, é uma testemunha dos romances de Zé Lins. A avenida principal homenageia o coronel José Lins Cavalcanti de Albuquerque, o velho Zé Paulino. Em uma extremidade da avenida está a Igreja do Carmo, com sua torre apontada para o céu. Na outra, um prédio colonial, conhecido como “Casa de Câmara e Cadeia”, local da Fundação Menino de Engenho. No térreo, ficava a cadeia, local onde o menino Zé Lins, alimentava os presos ou acompanhava o avô, o velho Paulino. No primeiro andar, funcionava a Câmara da Intendência, Poder Executivo da época. A avenida é divida por canteiros iluminados por postes esverdeados que lembram o estilo art déco. Nas laterais, encontram-se diversas residências e prédios comerciais em estilo eclético.
Se a cidade evoca momentos de beleza, a indignação e o choque ocorrem quando se chega ao Engenho Corredor. O imponente e instigante engenho dos relatos de Zé Lins está ameaçado de desabamento, transformado em escombros, em abrigo de maribondos e morcegos, com várias pichações no seu interior.
O governo federal, via o Ministério da Cultura, vem incentivando a criação de museus e bibliotecas. Há várias linhas de financiamentos, facilmente localizadas no site do referido ministério. É preciso impedir que o conjunto arquitetônico do Engenho Corredor, tombado por meio do Decreto Estadual nº. 20.137, de 02.12.2008, desmorone.
O Ministério Público Federal formalizou, em 2007, uma ação ajuizada com o objetivo de garantir a recuperação e a preservação do Engenho Corredor, tendo como réus os proprietários, que especulam com a destruição do patrimônio cultural, o governo do Estado e o Iphaep, omissos ao assistirem passivamente à destruição.
O Engenho Corredor é um importante exemplo do que fazemos com a nossa memória e o nosso patrimônio cultural: deixamos que vá ruindo até desaparecer, quer seja por uma restrita visão comercial ou por uma simples omissão governamental.
A Paraíba está fazendo com a memória de Zé Lins, o contrário do que faz a cidade de Granada, no sul da Espanha, com a memória do poeta Frederico Garcia Lorca. A casa da família Lorca, onde viveu o poeta de 1926 até o início da Guerra Civil espanhola, em 1936, está preservada, com o mobiliário da época. Integra um importante roteiro turístico e cultural, da bela cidade espanhola de Granada.
O governo do Estado quer fortalecer o turismo para criar empregos na Paraíba. Isso só é possível enaltecendo o que a Paraíba tem de singular e importante. A obra de Zé Lins é conhecida nacional e internacionalmente. Pilar e o Engenho Corredor são testemunhos da história cultura do Brasil e da Paraíba. As ruínas clamam por ação política. É preciso protestar para que a cidadania cultural, relacionada com o universo literário de Zé Lins, não possa ser obstruída. Viva a memória do Engenho Corredor!

Erinaldo Alves
Fonte:

Comentários

Maria disse…
Caro Erinaldo Alves,
Pesquisando imagens de minha querida e mal cuidada cidade de Pilar, me deparei com o seu blog, as fotos e seu artigo...me emocionei por demais!
Sou natural de Itabaina, onde nunca morei, sendo assim, me considero pilarense pois foi lá que passei meus melhores tempos da infância e tive o privilégio de visitar, muitas vezes, o Engenho Corredor, nos tempos em que era habitado por D.Montinha, acho que a última moradora daquele tão significante lugar...
Fico profundamente triste com o destino daquele que foi um dos principais cenários onde viveu Zé Lins, hoje em tristes ruínas...
Me comovi com seu artigo e aqui quis expressar meu agradecimento por tão sérias palavras.
Espero que com a mudança do poder executivo municipal, a nova gestora faça sua parte na defesa daquele patrimônio tão importante pra história de minha querida cidade!
Há braços
Mana de Tota
Maria disse…
Em tempo, só uma correção: a Igreja Matriz é de Nossa Senhora Del Pilar.

"(...)A ti que és pura
Mãe de ternura
Dos pilarenses
Nossa Senhora

Nós os teus filhos
Vimos agora
Render-te um pleito
Já nesta hora"

(Hino da Padroeira)

Saudades dos tempos de Padre Gomes, quando eu vivia "enfiada" naquela igreja, num rico convívio...
Oi, Maria,

obrigado por seus comentários e pela correção. Se possível, faça chegar este meu texto as autoridades de Pilar. É um absurdo esta situação.

Abraços,

Erinaldo
Antonio Costta disse…
E AGORA JOSÉ?
(Quase paródia)
A Erinaldo Alves.


E agora José?
Cadê teu sorriso?
Cadê o teu jeito
De grande menino
Querendo brincar?

E agora José?
Cadê teu avô
Que não vem te buscar?
Cadê tuas tias
Do velho Pilar?

E agora José?
Sem Zefa Cajá,
Sem a velha Totônha
A noite é medonha;
Quem irá te alegrar?

O tempo passou,
O menino cresceu,
E ninguém percebeu
Que o mundo é engano
E que o passado ficou
Em completo abandono!

E agora José?
Cadê Papa-Rabo?
Cadê o moleque,
O menino Ricardo,
Que foi pra Recife
Pra homem feito voltar!

E agora José?
Cadê teu engenho?
Cadê teu avô?
Teu palco de amor,
Cadê, onde está?
Quem destruiu
O Engenho Corredor?

“E agora José,
José para onde?”
A noite está alta
E sentimos tão forte
A tua falta.

E agora José,
Aonde te escondes?
Nas páginas de um livro
Que gosto de ler
Sinto-me feliz;
Pois lá encontramos
Mais vivo que nunca!
O nosso ZÉ LINS.

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…