Pular para o conteúdo principal

Monumentos: memória presente nos pontos centrais da capital paraibana

Ao passar pela Praça Dom Adauto, conhecida popularmente como do Bispo, você já parou para reparar no monumento que está erguido lá? De quem é a figura retratada? Aquele homem representado no bronze, sob a sombra das ávores frondosas e em cima de um pedestal de mármore, é Álvaro Machado, um dos mais poderosos políticos da história da Paraíba. Ele foi governador durante 20 anos, entre 1892 e 1912 e é considerado o maior representante da principal oligarquia da época, responsável pela criação do termo “alvarismo”. O monumento foi inaugurado em 1918, quando o irmão de Álvaro, João Machado, era governador. Considerado o mais imponente dos monumentos paraibanos, chamou a atenção do sociólogo Gilberto Freyre quando ele esteve na Paraíba alguns anos depois da obra ser inaugurada. Levado pelo escritor José Lins do Rêgo para uma visita ao então arcebispo dom Adauto, ele se admirou com sua opulência e questionou se havia um monumento do mesmo porte em homenagem a Augusto dos Anjos. Não havia. Augusto era só um artista, não detinha o poder. Quem passa pelas ruas do centro de João Pessoa nem sempre percebe, mas há história impressa em seus endereços centrais. Um passeio pelas praças e principais avenidas, tanto para o visitante quanto para o morador, pode render uma aula e tanto, além de ser uma boa forma de entender a lógica da sociedade. “Os monumentos roteirizam a história das cidades, através deles é possível contar a saga de um povo”, acredita o historiador José Octávio de Arruda Melo, autor de diversos livros sobre a história da Paraíba. Nas páginas do Dicionário Aurélio consta que “monumento é uma obra ou construção que se destina a transmitir à posteridade a memória de um fato ou pessoa notável”. E as ruas da cidade antiga oferecem inúmeros exemplos para comprovar esse conceito. Ruas com nomes de heróis e praças exibindo seus bustos são uma forma de homenagear homens que fizeram a história do Estado, mas também de legitimar as relações de poder estabelecidas.

ALINE OLIVEIRA

Fonte: Jornal da Paraíba - 20/3/2006

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…