Pular para o conteúdo principal

Redescobrindo as praças....


Fonte da imagem: www.panoramio.com/photos/original/408820.jpg

“Grande parte da vida da cidade se passa nas praças, que desempenham aqui um
papel mais importante do que talvez em qualquer outro lugar. Por causa do calor ou
talvez por uma inclinação natural dos habitantes, as praças estão sempre cheias de gente, tornando – se um centro de reunião obrigatória para quem quer participar da vida da cidade, o lugar onde se faz a crônica viva dos acontecimentos cotidianos, ponto de encontros e discussões, comentários e mexericos. A cidade tem muitas praças. Umas cuidadas, ajardinadas, freqüentadas. Outras abandonadas, esquecidas. Outras que nem se quer tem o nome de praças: são simplesmente largos. E em questão de nome aconteceu com elas o mesmo que com as ruas. Os nomes antigos com que o povo as conhece, foram substituídos por outros sem pitoresco e, às vezes, sem expressão” (DOBAL, 1952).
Na Antigüidade, as praças eram construídas ao redor dos grandes palácios para
enfeitá – los, e depois serem apreciadas pelos nobres. As pessoas humildes não tinham
acesso a esses ambientes.
Com o desenvolvimento das cidades e o conseqüente aumento da população,
sentiu – se a necessidade de construir áreas com espaço livre para o publico, onde
pudessem desenvolver eventos de cunho cultural, e onde as autoridades pudessem
discursar para o povo.
Na idade média a Igreja utilizava as praças para o sacrifício de pessoas que eram
contra seus preceitos, essas pessoas eram queimadas em praça pública diante de toda a
cidade.
No período da Revolução Francesa, inúmeras pessoas, que eram contra a
revolução, foram executadas em praça pública. As praças também serviam para a reunião
de populares que objetivavam algum tipo de manifestação contra algum seguimento.
O crescente aumento dos centros urbanos e conseqüentemente das edificações,
motivaram a criação de praças nos mesmos priorizando as áreas verdes, como forma de
oferecer a população da cidade um ambiente agradável, no qual poderia passear com suas famílias, marcar encontros com os amigos, assistir eventos, dentre outras atividades.
...as praças públicas desempenham numa cidade, além do papel de áreas verdes, cujo objetivo é ajudar a amenizar a poluição do ar, uma vez que há nos grandes centros urbanos um grande fluxo de veículos, e conseqüentemente um alto índice de poluição do ar, outro fator relevante é a significação social, pois são obras históricas e como tais destinam – se a incentivar a cultura, o lazer e tantas outras finalidades cabíveis a cada praça.
As praças, que fazem parte do patrimônio histórico da cidade, assumem nos dias atuais características diferentes das quais foram objetivadas, sendo a principal o desenvolvimento do comercio informal.

Texto extraído "ESTUDO DA FUNCIONALIDADE DAS PRAÇAS PEDRO II, RIO BRANCO
E MARECHAL DEODORO DA FONSECA NA CIDADE DE TERESINA-PIAUÍ", de autoria de Hiana BRITo; Joselivalto RIBEIRO; Verônica ALVES; Jacqueline BRITO.
Fonte: http://www.redenet.edu.br/publicacoes/arquivos/20080212_082642_LAZE-005.pdf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…