Pular para o conteúdo principal

PROJETO: PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALAMOS DE FLORES


Flor de ratos - Lia Menna Barreto
Fonte da imagem: http://lia-mennabarreto.blogspot.com/2007/11/produtos-da-obra-fabrica-2003.html

Segue adiante, como uma provocação, uma proposta de um projeto construído coletivamente no dia 01.06.2007, num curso integrante da formação continuada do professorados de artes da rede municipal de João Pessoa. O referido projeto pode ser desenvolvido nas primeiras séries do ensino fundamental I, podendo ser aplicado em outras séries, níveis e modalidades de ensino. Os procedimentos foram sugeridos pelo professorado presente e, depois, sistematizados por mim (Erinaldo Alves do Nascimento) e pela profa. Sicilia Calado Freitas. O objetivo geral é questionar o desenho estereotipado de flores e ampliar o repertório visual no processo de representação do tema.

Uma proposta de sistematização

1º. Momento: Provocando narrativas a partir do que se sabe
Objetivo: detectar a persistência do desenho estereotipado no desenho das crianças
1ª Atividade – O alunado desenhará a flor que sabe fazer em apenas 3 minutos.
2ª Atividade – Expor os desenhos para que possam perceber as imagens e padrões repetidos.
3ª Atividade – Refletir: por que desenhamos as flores da mesma maneira? Como as diferentes situações contribuíram para isso?

2º momento – Ampliando a observação sobre as flores
Objetivo: Ampliar a observação do alunado sobre flores, atentando para a sua diversidade, locais de plantio e tipos (naturais e artificiais)
• Pesquisa de flores em imagens de revistas
• Observar o jardim da escola
• Solicitar flores de plástico que decoram as suas casas. Pode-se fotografar os detalhes e o modo como decoram;
• Discutir o artificial substituindo progressivamente o natural;
• Mapeamento: quantos jardins existem no caminho de casa para a escola?
• Observar jardins e flores do caminho de casa para a escola. Coletar algumas amostras e fazer uma colagem;
• Comparar as conseqüências de ambientes com e sem jardins.
• Desenhar o jardim da escola;

3º Momento – Desenvolvendo o grafismo e outras possibilidades do fazer complementar ao processo de observação
Objetivo: exercitar o grafismo e outras possibilidades gráficas focadas na temática das flores
• Desenho de observação de diferentes flores;
• Fotografar as flores
• Explorar texturas de árvores e folhas;
• A preparação e utilização de pigmentos com flores em desenhos e pinturas;

4º Momento: estabelecendo Intertextualidades
Objetivo: relacionar as imagens sobre flores com outras linguagens artísticas
• Relacionar as imagens de flores com poemas, crônicas e música sobre flores e jardins (interdisciplinaridade com língua portuguesa e música);
• Realização de poemas fotográficos

5º Momento: Ampliando o conhecimento artístico e estético
Objetivo: apreciar trabalhos de artistas diversos, incluindo os paraibanos,que exploram a temática das flores, atentando também para os jardins projetados esteticamente.
• Ver artistas paraibanos que exploram ou exploraram flores de diferentes tipos e materiais;
• Relacionar o jardim da escola com os projetados esteticamente por paisagistas Ex: Burle Marx

6º Momento: Realizando intervenções na escola a partir das flores
Objetivo: realizar intervenções na escola como uma culminância do processo vivenciado com as flores
• Se a escola não tem jardim, construir um na escola;
• Se a escola não tiver espaço, distribuir vasos de flores. Os vasos podem ser confeccionados e decorados pelo alunado. Questionar por que não se tem jardim? É possível tê-lo?
• Construir murais coletivos, explorando a diversidade de flores;
• Decorar a escola com diversos quadros com flores feitos por artistas e por alunos;
• Campanha para ampliar as mudas de flores;
• Fazer um projeto de intervenção paisagista para que o jardim da escola fique mais agradável visualmente

Comentários

pripulga disse…
Poxa menino que incrivel.. estava a ler seu blog.. ainda ha muita coisa..
mas estes ratinhos me deixaram doida.. sabe pq.. eu fui a uma exposicao no sesc de sao paulo e la tinha uma parede repleta deles tirei tantas fotos e queria uma aula, tornalo uma aula.. mas conmo ainda nao leciono a deixei na memoria.. e nao e que ela veio pronta a mim..
grata
Erinaldo disse…
Oi, faça bom uso. Desejo muito, depois, um retorno seu...Combinado????
Ana Miguel disse…
Nossa adorei o projeto.. .os desenhos estereotipados sempre foram minha preocupação com o ciclo I.

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…