Pular para o conteúdo principal

A cerâmica de Mary di Iorio





Fonte das imagens: http://www.rioartecultura.com/marydiiorio.htm

E Mary Di Iorio, como situá-la no amplo e diversificado universo da cerâmica brasileira conteporânea? Em primeiro lugar, é preciso destacar o fato de que, nela, aparecem interligados a criação, o ensino e a reflexão. Já fiz menção ao inventário bibliográfico que ela realizou da cerâmica no Brasil, que apesar de concluído permanece lamentalmente inédito, por falta de apoio editorial. Paralelamete, Mary tem publicado no Brasil e no exterior, artigos e ensaios. Montou e dirigiu, entre 1972 e 1977, o departamento de artes plásticas da Universidade Federal de Uberlândia, em Minas Gerais, criando uma cadeira de cerâmica, da qual foi titular durante cerca de duas décadas.

É claro que esta atividade reflexiva e pedagógica repercutiu muito em seu processo criador. A este respeito eu diria que sua obra é um ponto de equilíbrio entre as diversas tendências vigentes na cerâmica brasileira e mundial nas duas últimas décadas. Apesar de oriundi, Di Iorio é mineira de Belo Horizonte. e isto significa dizer que nela prevalecem certos valores atávicos da mineiridade - equilíbrio, comedimento . vontade de ordem, fugindo sempre dos extremos, Sua cerâmica distancia-se tanto do utilitarismo quanto da expressão catártica, que muitas vezes. como temos visto, resvala para a exacerbão erótica e mesmo para a morbidez escatológica. Ela não é nem antropológica nem pretensamente espiritualista. Sua cerâmica não abriga conteúdos feministas e tampouco é recptáculo arcaizante. Vale dizer. Não é ilustrativa de modismos temáticos nem se prende a dogmas formalistas. Assim, arrisco-me a dizer que são exatamente estas ausências que definem sua presença irrecusável na cerâmica brasileira.

Vistas como unidades significativas, podem sugerir analogias com casulos, novelos, cápsulas, ampolas, tonéis, sementes etc. Mas estas alusões figurativas perdem sentido quando estas unidades passa a integrar conjuntos ou formam estruturar, como nos seus trabalhos mais recentes.

A perfuração que encontramos em suas "cápsulas" não deve ser vista como eventual metáfora do corpo feminino. mas sentido que Lucio Fontana deu corte em telas, revelação de uma espacialidade escondida. Não se trata. como em tantos outros ceramistas, de uma irrupção erótica. Mas de um gesto que interrompe a continuidade da superfície. As ranhuras que circundam toda a volumetria da peça e que se completam na assinatura da artista, da mesma forma não devem ser vistas como uma expansão informalista. Pelo contrário, a continuidade do sulco ou incisão, permite resgatar o movimento original, que associando o torno e a mão, viabilizou a existência da obra. Graças a estas ranhuras. o olho refaz, gestalticamente, o gesto fundador da obra. O efeito é, portanto, cinético.

Metódica e coerente, avançando sem saltos e sobressaltos, Mary Di Iorio nunca perde o controle de sua proposta estética.

Da matéria bruta a forma, da desordem à ordem, da imprecisão do barro à precisão do desenho, enfim, do caos da matéria prima original ao cosmos da obra conclusa, é assim que sua obra, se realiza. Isto fica muito claro quando percorremos as imagens do livro que ela publicou, ilustrando as diversas etapas de seu trabalho criador e as muitas alternativas estruturais e ambientais que ele possibilita. Numa dessas imagens, a mão da artista, amassa o barro, como que impulsionada por forte emotividade.
Na verdade, antes que ela puzesse a mão na massa, já havia definido, numa série de croquis, sua vontade de forma.

O desenho nítido, forte e vigoroso, delimita a forma e o volume, virtualiza o movimento, indicando, ao mesmo tempo, sua adaptalidade a diversos contextos e estruturas de arranjo. Mary Di Iorio restringiu deliberadamente seu vocabulário formal - forma ovóide, corte e ranhuras - com a intenção, clara, de verticalizar os resultados.

Houve momentos em que Di Iorio instalou seus "casulos" sobre a grama tendo como suporte estruturas metálicas ou as "amarrou" junto a árvores, como se fossem a borracha extraída dos seringais. Outras vezes deixou suas formas ovaladas como que flutuarem sobre rios e lagos, proximas a cachoeiras, contrapondo a estabilidade momentânea dos seus sólidos cerâmicos heraclitiana das águas, provocando,efeitos de luz e sombra, irizações impressionistas.

Em suas obras recentes. aqui expostas, Mary Di Iorio abandona os anteriores cenários naturalistas e ecológicos, assumindo uma postura nitidamente construtiva. Seus novos trabalhos são formações geométricas e pseudo-arquiteturas implicidamente monumentais, que se erguem diretamente do chão.
Na verdade, estas novas estruturas cúbicas e piramidais estão montadas sobre discretíssimos suportes de acrílico transparente e, assim elas parecem flutuar sobre o piso, como antes, sobre as águas do rio. O que conta agora não é mais a unidade e seu invólucro artesanal, a peça única mas o múltiplo, a estrutura mudular, oferecendo possibilidades praticamente ilimitadas. Este e um salto qualitativo importante, que abre uma nova vertente, um veio riquíssimo e renovador da cerâmica brasileira.

Frederico Morais

Fonte: http://www.marydiiorio.com.br/ceramica_port.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…