Pular para o conteúdo principal

5 Textos e Brinquedos

Iremos considerar a seguir como as distinções de gênero são realizadas em textos. Os exemplos escritos foram tirados de caixas de brinquedos, catálogos, e de WebPages. Discutiremos brevemente como os significados ideacionais, através da classificação e da avaliação, fazem distinções de gênero no discurso explícito da propaganda.

Geralmente, bonecos e bonecas são nomeados e, portanto, classificados em termos de papéis sociais. Brinquedos para meninos apresentam algumas classificações muito estranhas, mas, implicitamente, situam os pseudo-atores em cenários orientados em termos profissionais ou de ação. Action Man é:

Dr. X, Pollar, Polar Mission (Missão Polar), Bowman (Arqueiro), Roller Extreme, Bungee Jumper (Saltador de Bungee), Ninja.

Essas classificações apontam para relações de poder (Dr.), para super habilidades (Roller Extreme, Bungee Jumper), ou para o poder sobrenatural (Ninja). Em todas elas, portanto, algum tipo de poder é transmitido.

Por outro lado, bonecas para meninas são classificadas de acordo com profissões e papéis ‘femininos’, mas nenhuma avaliação super humana ou colocação em práticas de prestígio social estão associadas às classificações: elas são shoppers (consumidoras), bailarinas, mães, enfermeiras, cabeleireiras, e os contextos em que são colocadas estão, de modo geral, dentro do espaço doméstico ou nas praias da Flórida (nos perguntamos por que?!). Mais uma vez, os nomes são muito estranhos, cômicos, na verdade, mas apontam para construções românticas e idealizadas da feminilidade, como os tons rosa nas casas e na mobília.

Barbies, por exemplo, podem receber nomes como:

Noiva Orquídea Ruborizada (Blushing Orchid Bride), Rosa do Campo (Country Rose), Anjo Harpista (Harpist Angel), Ilusão (Illusion), Rosa (Rose), Sonho de Verão (Summer Dream), Sinfonia em Chiffon (Symphony in Chiffon), Esplendor de Verão (Summer Splendour).

Os textos abaixo constituem outro exemplo de como, através de avaliações e da construção da ação no discurso, representações textuais sinalizam diferenças de gênero. Considere o que se segue (textos tirados de e ):

Noiva Orquídea Ruborizada (Blushing Orchid Bride) (TM) Barbie(R)

Coleção Flor de Casamento (Wedding Flower Collection)

A Barbie Noiva Orquídea Ruborizada é a terceira Edição Limitada de bonecas de porcelana na Coleção Flor de Casamento

Celebrando a beleza e o significado da orquídea na cerimônia de casamento, ela veste um vestido de noiva de um macio cetim cor de rosa, com cauda e camadas de tule brilhante enfeitadas com fita. Um bordado iridescente recobre o corpete, que se afila dramaticamente em longas pétalas simulando uma orquídea. Seu rosto delicado, pintado à mão, é adornado por um véu cor de rosa, que flui em camadas de um círculo duplo de pérolas de imitação, combinando com suas jóias e até com as pequeninas pérolas de imitação em suas luvas e em seu buquê.



Glória do Outono (Autumn Glory) (TM) Barbie(R)

Coleção Estações Encantadas (Enchanted Seasons Collection)

A Barbie Glória do Outono, da Coleção Estações Encantadas, é um tributo estonteante às maravilhas do outono. Seu corpete bem ajustado com apliques metálicos prende-se a um longo vestido de chiffon tremeluzindo em tons de cobre e castanho avermelhado, adornado com folhas de outono e acentuado com toques de púrpura e dourado. Seus brincos têm a forma de graciosas folhas douradas. Sobre seu longo cabelo castanho avermelhado repousa um chapéu cor de vinho escuro, enfeitado com penas e folhas, acrescentando um toque final a este maravilhoso retrato do outono.



Barbie Austríaca (Austrian Barbie)



Grüss Gott (Saudações) da Áustria! A Barbie Austríaca é tão adorável quanto o país que representa, em sua saia rosa-floral, blusa branca e jaqueta imitação de feltro adornada em verde com lindas flores bordadas nas lapelas. Seus acessórios incluem um lenço de pescoço cor de rosa com ilhós nas bordas, meias brancas, sapatos pretos, brincos de “pérola” e um anel de “pérola”. Seu autêntico traje austríaco colorido faz lembrar as cores vibrantes dos belos vales nevados dos Alpes do país, luxuriantes florestas verdes e alegres flores alpinas.

Compare, agora, com o que se segue:

Action Man Bungee

Action Man é o maior herói de todos! Action Man salta para o desconhecido com seu fabuloso bungee jumping kit, que inclui um arnês de dois estágios, arpéu e óculos escuros super-cool.



Action Man Mergulhador do Ártico (Arctic Diver)

Action Man é o maior herói de todos! Action Man entra em ação mais uma vez; desta vez, em uma excitante missão no fundo do mar, com equipamento de mergulho ‘descolado’ e um fantástico e realista treinamento debaixo d’água.



Action Man Pára-quedista (Sky Diver)

Action Man é o maior herói de todos! Agora, Action Man salta para a glória com um magnífico equipamento de pára-quedismo! Ele abre seu glorioso pára-quedas e desce em segurança até a terra usando seu prático traje de vôo e seu capacete.

Os textos da Barbie, possivelmente endereçados para um público de colecionadores adultos (considerando itens léxicos como – ‘iridescente’, ‘camadas de tule’, ‘que se afila’, etc...) estão interpretando, ideacionalmente, um mundo mental e relacional – a boneca. Os processos selecionados incluem é, veste, representa, e o leitor é ‘lembrado’.

Os longos grupos nominais avaliam positivamente o que a Barbie é: uma participante ocasional nos processos. Qualquer parte de seu corpo, ou partes de suas roupas são ‘identificadas’ nos processos relacionais: o bordado, a mão/rosto pintado, seu corpete, seus brincos, etc. Isto significa que ela é descrita simplesmente como ‘existindo’ sem controle sobre o que está acontecendo com seu corpo.

Os textos do Action Man, por outro lado, interpretam o mundo em termos de ações: Action Man ‘salta’, ‘entra em ação’, ‘abre’, ‘desce’. Ele é o ator principal nos processos materiais descritos e está no controle de suas ações.

A Barbie (e suas roupas) é avaliada/apreciada (ver WHITE, 1999, MARTIN, 2000) em termos de valores estéticos – ficando corada, estonteante, luzindo, iridescente, macia, brilhante, delicada, graciosa, etc., enquanto o Action Man é avaliado de acordo com o julgamento social: super-cool, excitante, fantástico, prático, realista.

As estruturas de gênero textuais nas descrições da Barbie e do Action Man também são bastante diferentes – o texto da Barbie poderia ser incluído em um gênero de passarela, onde as modelos são descritas e os adultos estão interessados nos atributos e características da boneca. Os textos do Action Man, ao contrário, poderiam pertencer a um tipo de gênero de comercial de TV, dirigido a uma criança interessada em brincar de faz de conta.

No mundo da publicidade de brinquedos, o texto que se segue seria incongruente, para dizer o mínimo:

O estonteante homem californiano, em suas brilhantes botas negras Caterpillar, calças de marca de imitação de feltro em tom carmesim e um sensual fraque com colete, estampado com desenhos abstratos em laranja e prata, é tão adorável quanto o Estado que ele representa. O fraque, justo no peito, afila-se dramaticamente para enfatizar sua cintura delgada. Seus acessórios incluem um anel de ouro com um brilhante solitário, um finíssimo relógio de ouro com pulseira de ouro branco, um colar de ouro maciço e um brinco desenhado como uma graciosa pétala de rosa. Seu rosto delicadamente pintado transmite a firmeza de sua personalidade. Em cima de seus negros cabelos belamente penteados repousa um chapéu cor de vinho, adornado com penas de cauda de cisne, acrescentando um toque final ao maravilhoso retrato da masculinidade americana.

A incongruência se deve ao fato de que atribuímos a um ator social masculino os mesmos tipos de escolhas lexicais e de transitividade usados nos textos da Barbie. Isto mostra como significados ideacionais e as avaliações usados a partir de certo ponto de vista ideológico põem em evidência um mundo caracterizado por relações de gênero.



5 Conclusões

No mundo dos brinquedos, divisões de gênero se perpetuam em suas representações: os homens têm a ver com o mundo público, são orientados para a ação e possuem poderes superiores. O mundo das mulheres, por outro lado, está ligado à domesticidade: as mulheres são avaliadas em termos de valores estéticos e geralmente estão envolvidas com as profissões humanitárias e educacionais – até mesmo a professora Playmobil está vestida de rosa!

Apesar dos brinquedos serem considerados pela maioria das pessoas como trivialidades que não devem ser levadas a sério, como sugere Sutton Smith (1986), estes objetos, aparentemente inócuos, são repositórios de valores sociais que podem determinar o modo como a criança vê o mundo.

Esperamos ter demonstrado, através de nossa análise, que os brinquedos estão intimamente relacionados a importantes padrões culturais na sociedade em geral, e continuam a projetar um mundo perigoso, desigual e marcado por relações de gênero. Bonecas para meninas são representadas como fisicamente limitadas na maneira como se movem, são romantizadas (através de códigos de cor, da linguagem e, às vezes, sexualizadas de modos específicos), e são basicamente ancoradas em um ‘mundo real’ de afazeres domésticos. Elas também são convencionalmente restringidas a certas atividades e papéis sociais. Os brinquedos para meninos e suas representações, por outro lado, constroem ação, risco e poder. O mundo dos brinquedos e suas muitas representações constroem os seres humanos de modos bastante diferentes – o mundo ‘real’ e o ‘mundo da imaginação’ são diferentes para meninos e meninas. Se meninos e meninas são expostos desde cedo a uma versão tão diferente do mundo, suas identidades também serão construídas sobre esta diferença. E isto é assustador.

Referências:

BARTHES, R. Mythologies. St. Albans: Paladine, 1973.

______. Image, music and text. London: Fontana, 1977.

BERNSTEIN, B. Codes, modalities and the process of cultural reproduction: a model. Language and Society, n. 10, p. 327-63, 1981.

BUTLER, J. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. London: Routledge, 1990.

CALDAS-COULTHARD, C. R. Cross–cultural representation of ‘otherness’ in media discourse. In: WEISS, G.; WODAK, R. (Eds.). Critical Discourse Analysis: theory and interdisciplinary. London: Macmillan, 2002. p. 272-296.

______; COULTHARD, M. (Eds.). Texts and practices: readings in critical discourse analysis. London: Routledge, 1996.

______; VAN LEEUWEN, T. Baby’s first toys e the discursive construction of childhood. Folia Linguistica, Vienna, AUS, v. 35, n. 1-2: WODAK, R. (Ed.). Critical Discourse Analysis in post modern societies, p. 157-182, 2001.

FEATHERSTONE, M. Consumer culture & Postmodernism. London: Sage Publications, 1993.

FLEMING, D. Powerplay. Toys as popular culture. Manchester: Manchester University Press, 1996.

GREY, M.; GREY, G. Teddy bears: the collector's guide to selecting, restoring and enjoying new and vintage teddy bears. London: The Apple Press, 1994.

HALL, S. (Ed.). Representation: cultural representations and signifying practices. London: Sage; The Open University, 1997.

HALLIDAY, M. A. K. Language as social semiotic. London: E. Arnold, 1978.

______. Functional grammar. London: Edward Arnold, 1994 [1985].

HODGE, R.; KRESS, G. Social semiotics. London: Polity Press, 1988.

KLINE, S. Out of the garden. toys and children’s culture in the age of TV marketing. London: Verso, 1993.

KRESS, G. Against arbitrariness: the social production of the sign as a foundational issue in critical discourse analysis. Discourse and Society, London: Sage, v. 4, n. 2, p. 169-192, 1993.

______; VAN LEEUWEN, T. reading images: the grammar of visual design. London: Routledge, 1996.

______; VAN LEEUWEN, T. Multimodal discourse: the modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

MARTIN, J. Beyond exchange: appraisal systems in English. In: HUNSTON, S.; THOMPSON, G. (Eds.). Evaluation in text. Oxford: OUP, 2000. p. 142-175.

MURRAY, P. e L. The art of the Renaissance. London: Thames and Hudson, 1963.

SCOLLON, R Mediated discourse as social interaction: a study of news discourse. London: Longman, 1998.

______. Mediated discourse: the nexus of practice. 2000. (Unpubl. Manuscript)

SUTTON-SMITH, B. Toys as Culture. Nova York: Gardner, 1986.

VANDENBERG, B. Play Theory. In: FEIN, G.; RIVKIN, M. (Eds.). The Young Child at Play, Reviews of Research Volume 4. Washington D. C: National Association for the Education of Young Children (NEYC), 1986.

WHITE, P. An introductory tour through appraisal theory. 1999. Disponível em: .

Autores: Carmen Rosa Caldas-Coulthard e Theo van Leeuwen
Fonte: http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0403/01.htm

Comentários

Vânia disse…
estou desenvolvendo uma monografia de pós graduação sobre toy art, preciso de txtos que façam a ligação dos brinquedos em geral com a nova linguagem da toy art posso utializar os textos de vcs como referencia, teriamn mais conteudos sobre a história dos brinquedos,obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…