Pular para o conteúdo principal

4 Brinquedos e gênero – representações visuais

Que tipos de bonecas existem? Que idades, etnias, profissões, e assim por diante, estão disponíveis como brinquedos, e quais não estão? Como são representados meninos e meninas, homens e mulheres – velhos, jovens, homens, mulheres, negros, brancos? E como se parecem? O que podem fazer? Quem é incluído e quem é excluído do mundo dos brinquedos? Quais são os significados sociais potenciais que diferenciam especificamente brinquedos de meninas de brinquedos de meninos, e quais são os valores ligados a essas representações?

Certos papéis, como práticas de domesticidade (a casa e a mulher como dona de casa, por exemplo) são super-representados, enquanto práticas de ‘paternidade’ estão basicamente ausentes no mundo dos brinquedos. A velhice é outra categoria social que é raramente representada no mundo dos brinquedos ocidentais. Assim, presumimos que os recursos utilizados pela indústria têm como base certos significados preferenciais, como sugerido por Hall (1997), que, por sua vez, têm como base determinada visão da ordem social.

Assim, nos perguntamos: quais são os significados sociais potenciais que diferenciam brinquedos de meninas daqueles de meninos, e quais são os valores ligados a essas representações?

Butler (1990) aponta que gênero é performativo, criado pela performance repetida de atores sociais. Gênero não é algo que temos ou somos, mas sim algo que atualizamos em performance. De acordo com a autora, negociamos constantemente e somos capazes de desafiar nossas posições de gênero em relação a concepções de feminilidade e masculinidade:

Gênero não é um substantivo, mas também não é um conjunto de atributos flutuando livremente, pois já vimos que o efeito substantivo do gênero é produzido de modo performativo e compelido pelas práticas reguladoras de coerência de gênero. Assim, nos limites do discurso herdado da metafísica da substância, o gênero se prova performativo [...] Neste sentido, o gênero é sempre um fazer. (p. 24-25)

Embora concordemos com a afirmação acima e com a noção de performatividade em gênero, parece que Butler exclui a semiótica de suas considerações: gênero também pode ser representado em termos de ‘identidade’ – o que você é ou que características você tem. O menino no filme francês a que nos referimos acima, ao brincar com Barbies, estava representando a feminilidade, já que ele não podia ir à escola vestido de menina, nem usar o cabelo de uma menina. Barbies e outros brinquedos, ao contrário, já são dotados de gênero antes que as crianças façam qualquer coisa, ou que qualquer coisa seja feita com eles. Em alguns casos, o gênero é representado por meio de traços não modificáveis (os pés da Barbie são às vezes desenhados exclusivamente para sapatos de salto alto, por exemplo), em outros casos, através de traços modificáveis (o penteado, roupas). Estes traços ou características constituíram nosso ponto de partida.

Para nós, os brinquedos, como objetos, são representações fixas inegociáveis. A verdadeira questão é, contudo, até que ponto e como as crianças (e os pais) se alinham com os significados de gênero dados. Esta é uma questão muito importante, que precisa ser melhor pesquisada. Nas próximas seções, apresentaremos algumas das maneiras como o gênero é representado em brinquedos.

Autores: Carmen Rosa Caldas-Coulthard e Theo van Leeuwen
Fone: http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0403/01.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…