Pular para o conteúdo principal

O medo na educação infantil



Identificação

Escola de Educação Infantil "Casa da Gente" S/C Ltda.
Av. Jesuíno Marcondes Machado, 1001 - Nova Campinas
13.092-320 - Campinas - SP

Direção: Maria Odete Barbosa Lins Paes Cruz
Coordenação: Márcia Regina Martinez Felício Della Volpe
Psicóloga: Beatriz do Carmo Cristóvão Balau
Professora: Maria Helena Maryssael de Campos Ciasca
Classe: Infantil II – Crianças de 4 a 5 anos

Sobre o problema e procedimentos iniciais

Certo dia, em uma de nossas rodas de conversas, algumas crianças comentaram que de vez em quando sentiam medo. Perguntei-lhes que tipo de medo eram esses, e em que situações eles aconteciam. Responderam-me que era medo de escuro, de lobo, de gato, de lobisomem, de esqueleto, de fada, de fantasma, de lugar estranho, de gente que nunca viu, de um espaço muito grande e, se ele contiver muita gente, então, dá até frio na barriga!
A partir desse relato das crianças e através de orientações com equipe pedagógica da escola, adotamos o livro: "O Fantasma do Medo". Nesse livro o autor diz assim: "no momento em que for trabalhar com a criança, o educador deve ter em mente que o medo existe na natureza humana para a nossa proteção" (pag. 22). Também diz: "A pessoa corajosa não é a que jamais tem medo e sim, aquela que melhor sabe relacionar-se com ele" (pág. 21).
Assim, depois de contarmos essa história para as crianças, em dois momentos, seguimos a sugestão de procedimento que o autor relata ao final do livro, optando pelo tipo de material e acabamento que melhor traduzisse as nossas necessidades.

Descrição do desenvolvimento da atividade:

As crianças contornaram com tinta o boneco/fantasma recortado no tecido, não registraram a face (olhos, nariz e boca). Levaram então para casa e durante alguns dias, conversaram com seu fantasma todo dia, até que ele foi se transformando dentro do coração, em um fantasma camarada, em um amigo.

Ao final desse período, as crianças trouxeram o tecido à sala de aula. Desta vez, completaram o fantasma, dando-lhe um rosto com uma expressão amiga.
Levaram novamente o tecido para casa, e por mais alguns dias, conversaram e relacionaram-se com ele (tem criança que levou o fantasma para andar de bicicleta, em viagens, para passear de carro, colocou debaixo do travesseiro, outros dormiram abraçados ao fantasma...) Dessa maneira, o fantasma que já era amigo, foi transformado novamente em seus corações, em anjos da guarda.
Trouxeram de volta então à sala de aula, e acrescentaram nele, os adereços que o transformaria definitivamente em um amigo protetor. A seguir, costuramos e o enchemos de espuma. E assim, as crianças levaram para casa, um grande amigo.





Objetivos Alcançados:

Objetivo Principal: Ajudou as crianças a melhorar seu relacionamento com seus medos. Compreenderam que o medo, todos temos, por isso a importância de nos relacionarmos bem com eles.
Outros Objetivos: Desenvolvimento da linguagem oral; desenvolvimento da autonomia, segurança, controle das emoções, adaptação à novas situações; desenvolvimento da linguagem corporal, expressiva e motora; desenvolvimento da linguagem plástica.

Relato do Professor:

"O que mais nos chamou a atenção, a afetividade com que acolheram o Fantasma. Tornou-se verdadeiramente um companheiro. Permaneceu alguns dias na escola, antes de serem levados definitivamente para casa e passou a participar de quase todas as atividades que as crianças desenvolveram durante o período escolar. Brincavam com ele, levaram-o para tomar lanche, para passear pela escola, para comer pipoca. Cada criança tinha o seu Fantasma. Foi uma satisfação muito grande, da minha parte como professora e da parte das crianças termos realizado esse trabalho’’

Relato dos Alunos:



"... O que vocês vão fazer quando levarem o fantasma para casa pela primeira vez?
1. Vou conversar com ele, deixa-lo em cima da estante e trazer depois para a escola.
2. Vou esconder porque minhas filhinhas (bonecas) têm medo dele
3. Vou deixar ele dormindo, depois vou tomar banho e levar ele para passear."

"...O que vocês fizeram com o Fantasma em casa? Ele ficou amigo de vocês?
1. Eu bati papo com ele, dormi e deixei ele sozinho.
2. Eu não fiz nada. Nem lembrei dele
3. Eu não lembrei, deixei ele sozinho. Minha mãe me mostrou e então eu o levei para dormir comigo, todo amassadinho...
4. Eu conversei, dormi com ele e depois deixei ele sozinho."

"...O que vocês gostariam de falar sobre o Fantasma? Em que ele se transformou?
1. Brinquei com ele e deixei ele na estante. Ele vai gostar do desenho dos Powers. Vai se chamar Billy.
2. Abracei, brinquei e acordei com ele. Ele virou meu amigo
3. Eu não fiz nada. Ficou dormindo com meus bichinhos.
4. É minha amiga e é filha da Branca de Neve"

"...Onde vocês vão guardá-lo, quando levarem o Fantasma definitivamente para casa?
1. Vai ficar na minha cama
2. Vou deixar ele no carrinho para passear com as minhas filhinhas e depois vai ficar no berço. Elas não vão Ter medo, porque ele já virou amigo.
3. Vou dormir em cima deles"

"...Bem, o Fantasma/Amigo/Protetor está pronto. Vocês gostariam de falar mais alguma coisa sobre ele?
1. Vai se chamar Alexandre, vai ser um boneco que pode brincar e pode dormir.
2. Vai ser a Bela Adormecida
3. Vai ser a Mégara
4. Ele é lindo, maravilhoso e amoroso
5. Foi bom fazer ele, todas as partes..".

Fonte: http://www.abrae.com.br/projetos/casadage.htm. Acesso em 29.08.07

Comentários

Poliana disse…
Parabéns pelo trabalho, muito interessante e necessário, afinal o medo é muito comum na infância e buscar uma forma de trabalhar as emoções desde cedo nos tornam adultos mais confiantes.

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…