Pular para o conteúdo principal

Persistência do jesuitismo no presente: ensino de artes e ofícios






Fonte das imagens: www.novomilenio.inf.br
http://www.universiabrasil.net/especiais/patrimonios_historicos/missoes.htm

Infância pobre e indígena: formação profissional nas artes e ofícios no plano de Nóbrega

O reformulador espanhol Juan Luís Vives recomendava que crianças pobres “propícias para as ciências” fossem mantidas na escola, para serem mestres de outros ou para ingressarem no seminário. Os demais deveriam aprender ofícios, conforme “a inclinação de cada um”.
Os colégios, da Confraria dos meninos de Jesus, fundados por Manuel da Nóbrega, na Bahia e em São Vicente, encarregavam-se da instrução das crianças pobres e indígenas. Tratava-se de uma instituição que tinha uma situação jurídica ambígua: era, a um só tempo, uma instituição eclesiástica, pois atuava como um seminário; filantrópica, uma vez que cuidava de órfãos e educacional, porque atuava como colégio.
No plano de Nóbrega, o ensino profissionalizante das artes e ofícios era parte integrante do programa de ensino. Contudo, essa modalidade de ensino não gozava, pelos motivos expostos anteriormente, tal como hoje, com o prestígio das autoridades. Isso ficou muito evidente com a morte de Nóbrega, em 1570, quando foram excluídos as partes iniciais e o aprendizado das artes e ofícios, agrícola e musical.
Quando terminavam os estudos elementares, o plano de Nóbrega encaminhava, a maioria dos alunos, para o aprendizado profissional das técnicas agrícolas, das artes e ofícios. Uma minoria, tida como mais inteligente, passava para a aula de gramática latina. A escolha para a bifurcação de estudos baseava-se nas "aptidões e dotes intelectuais". Os que mais se distinguiam nos estudos de gramática latina poderiam realizar, como prêmio, uma viagem de estudos à Europa, especialmente aos colégios de Coimbra e Espanha.
O menosprezo em relação à arte na educação, que ainda hoje perdura, é bastante compreensível pelos títulos e prêmios concedidos pelo jesuitismo. Não é por acaso que essa suposição está tão enraizada e é tão difícil de pensar diferente.

Catequese coletiva: formação profissional nas artes e ofícios no projeto missioneiro

As Missões Jesuíticas eram modalidades de “catequização estável”, que empregavam o confinamento para uma comunidade inteira. Foram oficializadas pelos jesuítas em 1602 e implantadas entre 1609 a 1768. São consideradas o mais estratégico e eficiente processo de catequese a partir da articulação da governabilidade social, sem o uso impositivo da arma e da violência, pois os castigos eram “consentidos” e “combinados”.
Depois das atividades matinais iniciais, seguindo a mesma classificação do plano de Nóbrega, os meninos eram divididos em três grupos: os que aprenderiam a ler, escrever e contar; os que seguiriam para as artes e ofícios e os que realizariam os trabalhos agrícolas. Cada redução possuía oficinas de música, dança, pintura, escultura e demais ofícios. Para cada ofício e especialidade artística, havia uma oficina repleta de instrumentos e materiais de trabalho, contendo estampas religiosas que serviam de “modelo” para as esculturas e pinturas. As meninas, seguindo os preceitos coloniais, aprendiam a tecer, bordar e costurar. A produção destinava-se ao autoabastecimento das necessidades da redução, diferenciando-se pela “especialização” e pela demanda.
Os jesuítas, além de valorizarem a própria atuação polivalente, enalteciam a mesma atitude nos indígenas. Esse fato indica que a polivalência não é uma "invenção" tão recente assim. O padre Sepp considerava necessário, por mais simples que fosse a atividade, estar sempre junto dos índios orientando-os e fornecendo-lhes moldes e modelos.
Embora a submissão ao modelo europeu fosse preponderante, isto não significou que a produção cultural, na colônia, tenha ficado restrita, apenas, à cópia. Os índios, na qualidade de hábeis pintores e escultores, apropriaram-se das técnicas européias para, também, representarem, sutilmente, seus valores e tradições.

Erinaldo Alves
Julho de 2007
(trechos extraídos da Tese de doutorado. Ver indicação bibliográfica na coluna ao lado)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…