Pular para o conteúdo principal

Notícia sobre o Seminário Arte Contemporânea Paraibana realizada em Areia/PB

Prefeitura Municipal e parceiros realizam seminário: A Arte Contemporânea Paraibana
Prefeitura Municipal de AreiaA prefeitura municipal de Areia através da secretaria de Educação e em parceria com a AMAR (Associação dos Amigos de Areia), o Ponto de Cultura Viva o Museu, a UFPB (Universidade Federal da Paraíba) e o Grupo de Pesquisa em Ensino das Artes Visuais da UFPB (GPEAV), com o patrocínio do BNB (Banco do Nordeste do Brasil), do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Social) e do Governo Federal, realizaram na ultima quinta feira 4 o Seminário: a arte contemporânea paraibana: possibilidades educacionais em Artes Visuais.

O evento aconteceu no Espaço das Artes Horácio de Almeida no centro da cidade e também no Solar José Rufino sede da Secretaria de Turismo e Eventos do município e também do Ponto de Cultura Viva o Museu e contou com a participação de professores da rede Estadual, particular e municipal de ensino e também com alguns alunos e colaboradores do Ponto de Cultura.

No período da manha, foi realizado o credenciamento dos participantes e a abertura do evento. Logo em seguida foi realizada a Palestra: Compreender a arte contemporânea paraibana, com o professor Erinaldo Alves do Nascimento, da Universidade Federal da Paraíba, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, do Departamento de Artes Visuais, Laboratório de Pesquisa em Ensino das Artes Visuais e do Grupo de Pesquisa em Ensino das Artes Visuais.

O período da tarde foi destinado à realização das oficinas tanto no Solar José Rufino como no Espaço das Artes Horácio de Almeida. A oficina 1 trabalhou o tema: explorando a arte de José Rufino na sala de aula, a facilitadora foi a Professora Mary Taciana e teve como publico alvo o ensino médio, Eja e ensino noturno. A oficina 2 trabalhou o tema: explorando a arte de Alice Vinagre na Sala de aula, o facilitador foi o Professor Roberto Câmara e o publico alvo foi o ensino fundamental I . A oficina 3 trabalhou o tema: explorando a arte de Antônio Dias na sala de aula a facilitadora foi a Professora Rosicely Fausto, oficina voltada para o ensino fundamental II . Finalizando, a oficina 4 trabalhou o tema: explorando a arte de Marcelo Coutinho na sala de aula, a facilitadora foi a também Professora Idália Lins, atendendo ao ensino fundamental II e o médio.

Segundo os professores o evento serviu para os mesmos aprimorarem o seu conhecimento, melhorando as suas praticas em sala de aula, eles ainda acrescentaram que evento representou um “banho de conhecimento” modificando a forma de cada um deles observar a arte contemporânea e parabenizaram a administração do Prefeito Elsinho e seus parceiros por trazerem para a cidade essa capacitação. Outro destaque para os professores que participaram do evento, foi terem a oportunidade de trabalhar com obras de um artista da terra como foi o caso de José Rufino.

Esse projeto coordenado pelo Professor Erinaldo Alves do Nascimento, faz parte dos trabalhos do Grupo de Pesquisa em Ensino das Artes Visuais e será realizado nas maiores cidades de cada região do Estado e teve seu inicio na cidade de Areia, Patrimônio Histórico e Cultural do Brasil, berço de um dos artistas trabalhado e no próximo dia 5 também será realizado em Bananeiras.

A arte contemporânea paraibana e algumas possibilidades educacionais serão discutidas em Areia e Bananeiras/PB

Estão abertas as inscrições para participar do Seminário: A arte contemporânea paraibana: possibilidades educacionais em Artes Visuais. Este evento é destinado ao professorado que trabalha com Artes, coordenadores pedagógicos, gestores e profissionais de áreas afins. Em Areia/PB, o evento será realizado nos dias 04 de novembro de 2010, no Espaço de Arte Horácio de Almeida e Solar José Rufino. No dia 05 de novembro de 2010, a cidade de Bananeiras – PB sediará o evento, no Centro Cultural de Bananeiras.

O evento é uma iniciativa do Grupo de Pesquisa em Ensino das Artes Visuais, do Departamento de Artes Visuais (UFPB) e do Pólo Arte na Escola – Pólo João Pessoa, coordenado pelo prof. Dr. Erinaldo Alves do Nascimento, que integra o corpo docente do Mestrado em Artes Visuais UFPB/UFPE. O evento é apoiado em cada cidade por sua prefeitura municipal, por algumas entidades da sociedade civil e conta com o patrocínio do BNB. Colaborar com o acesso à arte contemporânea paraibana, via processos educacionais, no contexto escolar das principais cidades do interior da Paraíba é um dos seus principais objetivos.

A programação será contemplada com a palestra “Compreendendo a arte contemporânea paraibana”, ministrada pelo Prof. Dr. Erinaldo Alves do Nascimento, pela manhã, e quatro oficinas que explorarão educacionalmente a arte dos artistas paraibanos. A arte de José Rufino será ministrada pela Profa. Mary Taciana, direcionada para o Ensino Médio, EJA e Ensino Noturno; A arte de Alice Vinagre será comandada por pelo Prof. Roberto Câmara, destinada ao FundamentaI I; A arte de Antônio Dias será ministrada pela Profa. Rosicely Fausto, voltada para o Fundamental II e arte de Marcelo Coutinho será ministrada pela Profa. Idália Lins, direcionada ao Fundamental II e Ensino Médio.

Trata-se de uma oportunidade imperdível para estas cidades e outras dos municípios circunvizinhos, uma vez que a arte contemporânea paraibana ainda é pouco conhecida pela maioria da população. Professores e demais profissionais da educação enfrentam dúvidas e dificuldades de como trabalhar educacionalmente com essa temática.

Nelson Almeida
Diretor de Imprensa

Notícia Postada em 06/11/2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…