Pular para o conteúdo principal

MOSTRA FOTOGRÁFICA: JEITO TUCUJU – Fotografias de José de Vasconcelos



· Local: Galeria Vão Livre - PROJETO ARTE NA ESCOLA – 1º ANDAR DA BIBLIOTECA CENTRAL UFPB

· PERÍODO: 31.05 a 31.08 de 2010

· Curadoria – Erinaldo Alves, José de Vasconcelos e Eloane Cantuária

· Montagem: Rosicely Fausto, Suelen Virgínia e Beto Cãmara


Segundo Stuart Hall (2000, p.106), as identidades podem ser construídas a partir do reconhecimento de alguma origem comum ou de características que são partilhadas com outros grupos ou pessoas, ou ainda a partir de um mesmo ideal. São os aspectos peculiares de um determinado povo como suas crenças, ritos, experiências, valores e traços que a marcam.

O “Jeito Tucuju” é uma referência a cultura amapaense, composta pela mistura de povos e pessoas que adotaram o lugar: índios, negros, brancos, nordestinos, nortistas, sulistas, estrangeiros e “amapaenses da gema”. O nome “Tucuju” é uma homenagem aos grupos indígenas que viveram onde hoje fica a capital do Estado do Amapá, a cidade de Macapá. Um povo reconhecido como acolhedor, atencioso, respeitador e simples. Cidadão feliz, cheio de vida e apaixonado e orgulhoso de sua terra. Um pedaço da Amazônia que possui uma das florestas mais conservadas da região, o maior parque florestal do Brasil, a única capital brasileira cortada pela linha do Equador, que abriga a maior fortificação construída pelos portugueses na América Latina e ainda ter o privilegio de ser banhado pelo magnífico Rio Amazonas.

A mostra fotográfica “Jeito Tucuju” irá enfatizar a relação do povo amapaense com o Rio Amazonas. Numa reunião de imagens que registram momentos, expressões e gestos peculiares de pessoas que vivem em Macapá e acordam enxergando o Amazonas até onde a vista alcança... Uma paz e um silêncio impossível de ser descrito por palavras, deixando boquiabertos todos aqueles que chegam por ali.

Dentre as inúmeras formas de expressão artística que sintetizam esse amor do amapaense pelo Amazonas, destaco a bela canção de Val Milhomem e Joãozinho Gomes que diz:

Quem nunca viu o Amazonas
nunca irá entender a vida de um povo
De alma e cor brasileiras
suas conquistas ribeiras
seu rítmo novo

Não contará nossa história
por não saber ou por não fazer jus
não curtirá nossas festas tucujus

Quem avistar o Amazonas
nesse momento
E souber transbordar de tanto amor
esse terá entendido o jeito de ser
do povo daqui (refrão)

Quem nunca viu o Amazonas
Jamais irá compreender a crença de um povo
Sua ciência caseira
A reza das benzedeiras
O dom milagroso

(refrão)

Sentados a beira do Rio-Mar, o amapaense se isola do mundo: vendo a amarelada água bater no trapiche e o refrescante vento no rosto, é um privilégio e uma inspiração ...


Sobre o artista

José de Vasconcelos nasceu na Zona da Mata Paraibana, no município de Santa Rita-PB e está radicado em Macapá/Amapá desde 2000. Formou-se em Artes Visuais pela Universidade Federal da Paraíba em 1995, possui pós-graduação latu-sensu em Fundamentos Metodológicos da Apreciação e Crítica do Ensino de Artes (2000). Atualmente é fotógrafo e professor efetivo do Curso de Artes da Universidade Federal do Amapá. Foi professor de fotopublicidade, fotojornalismo do curso de Comunicação Social da Faculdade SEAMA, além de ministrar diversos cursos e oficinas no SESC/Amapá.

No Amapá, no ano de 2001, participou da exposição de pintura “Não há nada que nos Uma”, na Fortaleza São José de Macapá/FUNDECAP e na Galeria de Arte do SESC. Em 2002, faz as fotos do CD Pólvora & Fogo da Cantora Patrícia Bastos. Em agosto de 2006 expõe a mostra fotográfica individual “Frutos do Olhar” e participa do 6º salão de arte do sesc Amapá. Em 2007 fez a exposição “Mulher” no Sesc Araxá.

Em João Pessoa, na Paraíba, participou da I, II e III Mostra de Artes Plásticas dos Alunos de Educação Artística, Organizada pelo Centro Acadêmico de Educação Artística – UFPB, nos anos de 1992 a 1993; Em 1994 participou da 5ª Mostra Internacional de Arte Postal, Organizada pelo I Festival Nacional de Artes, Realizado no Espaço Cultural da Paraíba, do IV Seminário Internacional Universidade e Educação Popular, Organizada pela Universidade Federal da Paraíba, Realizado na Galeria Archidy Picado (Fundação Espaço Cultural da Paraíba), e do VI Salão Municipal de Artes Plásticas, Organizada pela Prefeitura Municipal de João Pessoa, Realizado no Mezanino I (Fundação Espaço Cultural da Paraíba). Em 1995, do Encontro das Artes, Organizado pela Coordenação do Curso de Educação Artística – UFPB, Realizado no Hall do Teatro Paulo Pontes (Fundação Espaço Cultural da Paraíba). Em 1996 do VII Salão Municipal de Artes Plásticas, Organizada pela Prefeitura Municipal de João Pessoa, Realizado no Núcleo de Arte Contemporânea

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…