Pular para o conteúdo principal

Takeshi Kitano - Arte Contemporânea Menos 'Esnobe'

Em Paris, Takeshi Kitano revela seus sonhos e ri da arte "esnobe"


Um dos grandes mestres do cinema asiático, o japonês Takeshi Kitano - que começou a pintar depois de um grave acidente de moto -, revela seus sonhos e seu mundo lúdico em uma exposição na Fundação Cartier de Paris, dedicada à arte contemporânea.

Com máquinas fantásticas, objetos insólitos e irreverentes, pinturas e vídeos, esta mostra, que abre as portas ao público nesta quarta-feira, é a primeira da Europa a revelar o cineasta de 63 anos como um artista plástico.

"Quero dar outra visão da arte contemporânea, mostrá-la com uma face menos complicada, mais divertida, menos esnobe", explicou Kitano em entrevista coletiva na Fundação Cartier. "Quero, sobretudo, fazer rir crianças e adultos", acrescentou o artista japonês, condecorado nesta terça-feira com a medalha das Artes e Letras da França.

"Kitano é um mago, um humorista, um artista multifacetado", destacou o diretor da Fundação Cartier, Heré Chandès. "Mas até agora, na Europa, só é conhecido por seu cinema".

"Foi por isso que, há cinco anos, tivemos a ideia de organizar uma exposição que revelasse Kitano como um artista visual", disse o encarregado deste centro de arte contemporânea.

Conhecido também sob o nome de Beat Takeshi e famoso em seu país, não só pelos trabalhos como ator e cineasta - que lhe renderam prêmios em festivais internacionais de cinema, como o de Veneza -, mas também por seus divertidos programas de televisão, Kitano revela na exposição seu lado lúdico, nostálgico, da infância.

"Eu sempre mantive algo de menino. É assim que sou feliz", disse. "E esta exposição é para divertir crianças e adultos", acrescentou o artista, lembrando que foi após o acidente de moto que decidiu dedicar mais tempo à pintura, à poesia e à matemática, uma de suas grandes paixões.

Perguntado, durante a coletiva, sobre os artistas que influenciaram sua pintura, Kitano disse, com seu humor habitual, que a maior influência tinha sido do pai, que gostava de usar pincéis grossos.

Talvez por este motivo, o título da exposição, aberta até 12 de setembro, seja "Gosse de Peintre" (Filho de Pintor).

Ao mesmo tempo em que a Fundação Cartier apresenta o Kitano pintor, o Centro Pompidou dedica a ele uma retrospectiva de seus filmes. Além disso, acaba de ser publicada na França uma autobiografia intitulada "Kitano por Kitano", escrita a quatro mãos com o jornalista francês Michel Temman.

Além disso, seu filme, "Aquiles e a Tartaruga" (2008), sequência de "Takeshi's" (2005) e "Glória ao Cineasta!" (2007), que conta a vida de um artista incompreendido, frustrado e infeliz, estreia nesta quarta-feira nas salas de cinema francesas.

Mas esta trilogia dedicada ao "suicídio artístico" não parece refletir Kitano, que não deixou de rir e se divertir durante a coletiva.


Disponível em : http://cinema.uol.com.br/ultnot/afp/2010/03/09/em-paris-takeshi-kitano-revela-seus-sonhos-e-ri-da-arte-esnobe.jhtm#



Karlene Braga

Comentários

Quim disse…
Oi, Karlene,
Adorei conhecer a história de Takeshi. Mas vc me deixou curioso!
Vc já assistiu aos filmes? Como são?
Quero assistí-los. Sabe se já foram lançados no Brasil?
Abs,
QUIM Alcantara
Artista Plástico Contemporâneo - Pintura, Design

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…