Pular para o conteúdo principal

ainda os clichês




Na última semana tentei alinhavar uma discussão em torno do uso, nem sempre coerente ou mesmo apropriado, de metáforas para nomear obras de arte ou exposições. Em geral, estas metáforas que, na verdade, repercutem uma prática acadêmica, soam como pretensões poéticas ou titubeiam na apropriação de termos emprestados das ciências exatas e naturais. Continuando a discussão, quero afirmar que não sou exatamente contra o uso destas expressões. Sou contra a sua insuficiência teórica ou a falta de solidez na sua relação com aquilo a que está querendo se referir, falhas que decorrem da superficialidade com que artistas e críticos tratam formulações teóricas nem sempre muito fáceis de assimilar.
Com a crise do formalismo crítico, dada em função das mutações sofridas pelas artes visuais na sua passagem para o atual estágio de contemporaneidade, a crítica de arte viu-se forçada a lançar mãos de instrumentais alheios ao universo artístico. Assim, passou a ampliar abordagens lingüísticas, psicanalíticas e sócio-políticas, apoiando-se nas contribuições de vários intelectuais ditos pós-estruturalistas, mormente no que diz respeito à teoria da desconstrução, esta dirigida originalmente para a análise literária.
Ora, a própria arte conceitual e seus desdobramentos, profundamente imbricados com a palavra, pareceu mesmo solicitar para seu comentário, o intercurso da crítica com tal arcabouço teórico-metodológico. Uma vez que os próprios artistas, desde há muito, mas com maior intensidade desde o modernismo, vinham se incumbindo, eles mesmos, de discutir sua própria obra, não foi inesperado que a moda desconstrucionista também os atingisse.
Essa situação tornou imperioso, para muitos, que críticos e artistas deveriam dominar um tipo específico de discurso em que a terminologia própria dos filósofos pós-modernos preponderasse. Nada contra, repito, mas esta exigência não tem tido uma resposta eficiente em termos da formação dos implicados, não obstante esforços dos cursos de formação de artistas em todo o mundo. Saber falar ou escrever sobre o que faz é, hoje, então, uma habilidade pelo menos desejável no artista e significa dar à arte uma dimensão racionalista distanciada daquela em que o artista apenas “põe pra fora”. Enfim, o fato é que o expressionismo romântico tomou conta deste novo discurso e o que se lê são formulações próximas do surreal. Quero, por fim, dizer que de nada adianta “esbanjar português” em falatórios no fim das contas vazios, da mesma forma que não adianta macaquear meios, técnicas e temáticas contemporâneos quando não se compreende a relação mesma entre estes e a arte.


Ponto e linha

Dois eventos têm lugar nestes dias no DEART/UFRN. O primeiro deles é o ECO AR que constará, amanhã e depois, de várias oficinas e apresentações artísticas. Informe-se mais em http://www.ecoar2009.blogspot.com.

O segundo evento, promovido pelo projeto Arte na Escola, é um curso de formação continuada para professores de arte que começa neste sábado e tem continuidade no próximo dia 28. Mais informações pelo fone 3215 3553.

O SESC programa para o próximo dia 27 a abertura da exposição “O operário que ama”, retrospectiva em homenagem a Dorian Gray Caldas. A exposição terá lugar no Natal Shopping, no espaço que vinha sendo utilizado pelo SEBRAE.

Foi lançado o edital para concorrência de pauta da Galeria Conviv’art, para o segundo semestre de 2009. As inscrições têm prazo até 8 de maio. Mais informações no Núcleo de Arte e Cultura da UFRN ou pelo telefone 3215 3237.

Ilustra esta edição MDHM 06, de Vicente Vitoriano. Versão fotográfica de Mr. Duchamp Handmade 02. Grafite, nanquim e aquarela sobre couchet. 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…