Pular para o conteúdo principal

Panorama das Artes Visuais - RN




Um panorama deveria mostrar seu objeto em perspectiva o mais amplamente possível. O Panorama das Artes Visuais – RN, exposição resultante dos diversos prêmios sob o título genérico de Prêmio Thomé Filgueira, quase chega lá. É que, não obstante a grande variedade e a bem razoável qualidade dos trabalhos exibidos, algumas ausências de gêneros ou categorias de obras impedem esta visualização completa. Refiro-me ao fato de não existirem obras em vídeo ou performance, por exemplo, que já possuem um certo espaço na produção local. Por parte da organização do Panorama, talvez tenha faltado tempo hábil para maior divulgação e estímulo à participação de artistas que atuam com estes meios. Mesmo assim, o que temos permite algumas considerações, mormente em comparação com os demais Salões abertos em 2008. Deve-se mencionar, entretanto, que o artista Ivo Maia realizou performance com os objetos de sua instalação “Mata sede”, na ocasião da abertura da exposição.
A primeira evidência, gritante, diga-se, é a de que não dispomos de espaços adequados para mostras desta natureza. O Panorama parece bem acomodado na Galeria Newton Navarro e nos terraços que ladeiam o solarium do prédio onde se instala a Fundação José Augusto, mas a sensação é a de que os ambientes parecem “emprestados” ou não suficientemente próprios para tanto. Isto já havia sido bem (ou mal) visto na montagem do II Salão Abraham Palatnik de Artes Visuais, na Biblioteca Câmara Cascudo e não é de hoje que se reclama das galerias da Capitania das Artes onde se mostram os Salões da Cidade. Aguardem-se, para amenizar este problema, o Centro Integrado de Arte, prometido pela nova administração da Capitania, ou a galeria do Departamento de Artes da UFRN, a ser incorporada às suas futuras instalações, previstas para 2010.
É também muito visível a importância que o desenho assume neste Panorama, confirmando o que entendo por uma tradição gráfica norte-rio-grandense. Para que se tenha uma idéia, os três prêmios mais importantes (Governador do Estado) foram conferidos a trabalhos de três desenhistas, a saber, Flávio Freitas, Hannah Lauria e Vicente Vitoriano. É possível cogitar-se que esta premiação deve-se ao fato de a comissão julgadora ter sido composta por três outros importantes desenhistas, ou sejam Afonso Martins, Célia Albuquerque e Fernando Gurgel. Uma análise ligeira pode mostrar, porém, que os trabalhos em desenho ou em que este meio se apresenta como fundamento são de fato bons, como se observa em Ilkes Peixoto e Leandro Garcia, ou nos gravadores Alexandre Gurgel, Clayton Marinho e Cláudio Damasceno. Vejam-se ainda os trabalhos de Águeda Ferreira, Alexandrina Viana, Conceição Oliveira e mesmo de Genildo Mateus, Gilson Nascimento e Newton Avelino, que apresentam obras categorizadas como pintura. Tendo em vista esta base gráfica, podem-se acrescer também os trabalhos de Max Pereira (assemblage de dobraduras) e de Wendel Gabriel (objetos metálicos). Não por acaso, os três trabalhos de Wendel Gabriel são intitulados de “Gráfico”.
A fotografia, grande estrela dos outros salões, resume-se aos dois trabalhos de Vinícius Dantas. Ela ainda está presente, mas não como meio “principal”, nas colagens de Vicente Vitoriano e nas infografias de Marinho e Sofia Porto. Certamente, foram fotografias que originaram o tríptico “Eu e meu irmão, meu irmão e eu”, de Luiz Élson Dantas, um dos poucos trabalhos de pintura neste Panorama, ao lado dos de Jota Medeiros, Joaquim Soares, Kelton Wanderley, Laércio Eugênio, Mário Sérgio e Ricardo Cerqueira (veja imagem de sua obra "Festa", neste post).
Uma boa seção da mostra é encontrada nos objetos realizados por Diego Medeiros (veja imagem), Jean Sartief e Nayara Costa. Estes artistas compõem um claro diferencial, não só pelo uso dos materiais como pela inteligente carga conceitual presente em seus trabalhos, além da interatividade comum a todos.
Veja-se.

Comentários

Anônimo disse…
falar sobre ates visuais é muito interessante, e esse texto fala tuto!

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…