Pular para o conteúdo principal

NATAL E ARTE...

A Anunciação de Fra Angélico


Olhares sobre Arte
Natal e Arte

No dia 25 de Dezembro celebra-se a festa do Natal, o nascimento de Jesus Cristo.


O Cristianismo surgiu no seio do Império Romano, lado a lado com as práticas pagãs, tendo a primeira Arte Cristã sofrido algumas aculturações ( a “arte das Catacumbas” serve-se dos modelos estilísticos romanos e dos temas tradicionais pagãos a que os cristãos deram um novo significado) assim como a própria data do nascimento de Cristo, como ignoramos a data precisa deste facto histórico, a Igreja escolheu o dia 25 de Dezembro, dia do solstício do inverno, para cristianizar uma festa pagã que havia em Roma em honra do deus sol.

Vénus de Willendorf, Aústria


O Natal aparece na cultura ocidental como criação da vida, renovação do Mundo, através da maternidade. A fecundidade como factor determinante da origem do homem foi, desde sempre, objecto de interesse por parte dos artistas. Já no paleolítico superior representavam a figura da mulher, exagerando as partes do corpo relacionadas com a maternidade (corpo volumoso, seios enormes, ventre proeminente, ancas e coxas grandes e salientes) acreditando que facilitava a procriação e consequentemente a conservação da espécie. Estas estátuas femininas, chamadas “Vénus” eram divindades ligadas ao culto da fertilidade.


O Natal, símbolo emblemático do nascimento do Salvador é celebrado nos quadros de Fra Angelico, “A Anunciação” e de Correggio, “A Noite Santa” com os dois mais alegres eventos da história do Natal.


O Retábulo de Fra Angelico “A Anunciação” é uma obra prima italiana de Quattrocento, das origens do Renascimento em Florença do século XV. Conta a aparição do Arcanjo S. Gabriel à Virgem Maria, anunciando-lhe que Ela tinha sido escolhida para ser a Mãe de Cristo.



Uma das mais famosas obras de Correggio, pintor do século XVI (Cinquecento), “A Noite Santa” mostra-nos um pastor de elevada estatura, apoiado no seu cajado, a ter uma visão do Céu onde os Anjos cantam e rodopiam alegremente sobre uma nuvem enquanto olham o que se desenrola em baixo. Nas ruínas sombrias do estábulo o Menino, recém-nascido irradia luz, iluminando o rosto da feliz Mãe. O Pastor ajeita o gorro e está pronto a ajoelhar-se e a adorar o Menino. S. José, nas trevas exteriores, é uma figura presente, mas, nesta cena, secundária. Corregio privilegia uma modelagem pela cor, fazendo esbater os contornos das figuras. Utiliza a técnica da gradação da cor e da transição do claro para o escuro (sfumato), as figuras parecem surgir da escuridão. O uso do claro-escuro permite dar ênfase a certas figuras e diminuir a importância de outras. Insere a Natureza no seu quadro (Naturalismo), procura a perspectiva correcta e revela uma grande preocupação com o equilíbrio da composição que o leva a utilizar a composição em pirâmide, características da pintura do Renascimento.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…