Pular para o conteúdo principal

Melancolia Sublimada



Melancolia sublimada
Sobre a exposição Melancólica travessia, de Erasmo Andrade, em cartaz na Galeria Conviv’art.

Há alguns anos, junto com alunos, defini a melancolia como um conceito, uma categoria de certa produção pictórica regionalista nordestina, associada à temática da seca, dos retirantes, galhos retorcidos, mandacarus e chão rachado. Na verdade, era uma categorização pejorativa em sua formulação. Em Erasmo, a melancolia não se prende (tanto) à materialidade dos fenômenos climáticos ou às suas conseqüências imediatamente antropológicas ou geográficas para findar em discurso político. Sua extração tem fonte nos meandros da fé cristã e na dolorosa exemplaridade dos mártires. Numa palavra, a melancolia é um estado gêmeo da privação e da clausura, do afastamento (erótico) do outro e da sublimação mística. Talvez seja esta a via, não afirmo isto, pela qual o artista envereda pela literatura de João Guimarães Rosa e da qual traz referências cromáticas, além daquelas que remetem às questões identitárias e ao qüiproquó da relação entre Riobaldo e Diadorin.
Tal arcabouço conceitual tem visualização em atmosferas leitosas verdes ou azuis, etéreas, não muito distantes das plataformas surreais neocubistas de Chagall, mas muito próximas da proposta pictórica de Gauguin que, aliás, originou todo o expressionismo modernista, seja por meio do fauvismo francês ou do Blaue Reiter alemão. Esta imersão oceânica (para usar um termo caro à psicanálise) constitui uma estratégia de pesquisa de lugares abissais inconscientes, oníricos ou mesmo criados, onde a impossível maternidade (pela condição de gênero do artista) inverte-se na paisagem do Hades, a qual se atravessa aos saltos entre sóis amargos e cantos tanatórios entoados por tristíssimos penitentes. Neste mundo bucólico, que se confunde com o sertão – ora seco e morto, ora verde e vivo, habitam jovens parnasianos em sua nudez forçadamente pudica, porém aberta, pública. Em contraponto, ali freqüentam moças “enjaneladas”, oriundas de casas decoradas com flores colhidas, portanto mortas, recolhidas às sombras de salas e alcovas.
Estes jogos dicotômicos induzem que, não obstante o teor de tristeza (melancolia) e as cores geralmente frias (nubladas), a obra de Erasmo é incendiada por um lirismo candente que emociona e enseja reflexões, mesmo naqueles florais, não à toa chamados de naturezas mortas.

Ponto e linha

Num empreendimento da FAPERN, foi aberta na última terça-feira na Biblioteca Pública Câmara Cascudo a exposição Leonardo da Vinci: maravilhas mecânicas, substituindo o II Salão Abraham Palatnik de Artes Visuais. Embora não enfoque diretamente o trabalho artístico de da Vinci, a exposição deve ser vista pelos que admiram o “velho” renascentista.

Na próxima terça-feira, dia 30, será aberto o Panorama das Artes Visuais – RN / Prêmio Thomé Filgueira, na Galeria Newton Navarro, da Fundação José Augusto. Na ocasião serão entregues prêmios a trinta artistas selecionados e a um curador.

Enquanto isto, na Capitania das Artes, permanece até fevereiro a mostra do XII Salão de Artes Visuais da Cidade do Natal.

Aproveite até o próximo dia 30 para ver a exposição Imaginário de Xico Santeiro: reflexos do cotidiano, no Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão.

O próximo presidente da Fundação Capitania das Artes será o artista visual e empresário César Revoredo. Sucesso!

Desejo a todos boas festas de fim de ano e um 2009 pleno de sucessos. Deverei voltar a esta coluna em fevereiro ou, antes, em especiais ocasiões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…