Pular para o conteúdo principal

Excesso do discurso politicamento correto

"Nunca matei um animal por cantar atirei o pau no gato"
O educador Ilan Brenman diz, em entrevista a ÉPOCA, que a imposição do politicamente correto em cantigas e histórias infantis pode ser prejudicial para o discernimento das crianças sobre os conflitos ao longo da vida
Thiago Cid
 Reprodução
POLITICAMENTE CORRETO
Para Ilan Brenman, retirar situações de conflito das histórias pode prejudicar a formação das crianças

Quando o escritor e educador Ilan Brenman ouviu a adaptada cantiga "não atirei o pau no gato...", ele se enfezou. Preocupado com a imposição do politicamente correto nas músicas e histórias infantis, aprofundou-se no assunto para fazer justamente o contrário: ele acabou de apresentar sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo sugerindo que o uso de temáticas politicamente corretas não só é incapaz de incutir essas atitudes na criança como também retira uma das principais válvulas de escape dos medos e frustrações infantis. "Eu nunca matei um animal por cantar 'atirei o pau no gato'", afirma.

Para Brenman, que já escreveu mais de 20 livros infanto-juvenis, ao lidar com situações de conflito - morte, raiva, ciúmes, medo -, a criança está criando ferramentas para trabalhar com as dificuldades da vida. "Elas escutam as histórias de forma diferente dos adultos. O obstáculo e o conflito representados nos livros são o reflexo das dúvidas que a criança possui dentro dela", diz o pesquisador. Ele argumenta que, se forem retirados os espaços para a criança lidar com seus sentimentos negativos, elas não terão como aprender a enfrentar as dificuldades e a violência pode explodir na vida real.

Na literatura infantil "do bem", são suprimidas menções às reações e comportamento negativos do homem. São histórias positivas, com lições de moral e sem personagens violentos como a bruxa e o bicho-papão. "Um dos exemplos da patrulha do ideologicamente correto pode ser visto na história da Chapeuzinho Vermelho". Existem livros publicados em que não há mais o lobo mau, ou que a barriga do lobo não é aberta para evitar imagens de violência na cabeça das crianças. "A cena da abertura da barriga do lobo é importante por trazer a idéia do renascimento, da vida que brota de outra vida", diz o educador.

 Divulgação
MENINA LEVADA
Segundo o escritor, as travessuras da boneca Emília ensinam as crianças a pensar
Contra a Emília "comportada"

A grande luta de Brenman parece ser contra a campanha para modificar os hábitos de uma das principais personagens da literatura infantil brasileira: a boneca de pano Emília, criada por Monteiro Lobato nos anos 1920. "Ela é uma menina respondona, atrevida, criativa e saudável", afirma. As crianças, segundo ele, também não são anjinhos. Elas têm doses de maldade dentro delas, e a boa literatura, com pitadas de conflito e comportamentos dúbios, permite às crianças compreender a oscilação sentimental que sentem e a lidar melhor com as neuroses do mundo.

O educador acredita que os pais não podem terceirizar a transmissão de valores morais para os livros. Esta é uma função que deve ser feita pela família, e qualquer tentativa de ensinar a ser bonzinho por mensagens já prontas em livros não terá efeito. Isso porque a percepção do bom e do mau deve vir pela reflexão. A leitura, diz Brenman, deve provocar a criança com situações de conflito para que ela raciocine sobre o assunto e tire suas conclusões.

A imposição do politicamente correto faz Brenman temer que cuidados excessivos, como a substituição de palavras consideradas ofensivas, façam com que a juventude atual se descole das histórias tradicionais. "Se não fizermos nada, daqui a pouco vamos ter que contar a história do "Afrodescendentezinho do Pastoreio", e não a do Negrinho do Pastoreio.


Disponível em : http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI18323-15254,00-NUNCA+MATEI+UM+ANIMAL+BR+POR+CANTAR+ATIREI+O+PAU+NO+GATO.html


Karlene Braga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…