Pular para o conteúdo principal

Salões I: a fotografia



Com uma dica do cinegrafista e videasta Ricardo Pinto, meu aluno de novo, agora na especialização, consegui fazer a postagem dos textos publicados em minha coluna do Diário de Natal sobre os Salões em cartaz por estas plagas. Tentarei trazer a coluna na íntegra, a partir de agora.
Saudações a todos de Vicente Vitoriano



Salões I: a fotografia
(Publicado na coluna Artes Plásticas, Caderno Muito do Diário de Natal, em 27.11.08)

Não tem volta. A fotografia grassa a produção contemporânea entre nós. É quase uma hegemonia, resultado da preferência por trabalhos feitos com este meio dada pelos críticos responsáveis pela seleção de obras dos nossos Salões. No XII Salão de Artes Visuais da Cidade do Natal (Capitania das Artes), dois dos três premiados são fotógrafos. Já no II Salão Abraham Palatnik de Artes Visuais (FAPERN, Biblioteca Pública Câmara Cascudo), os três premiados apresentaram trabalhos fotográficos. Exposições, até individuais, estão pipocando, mesmo que possam ser criticadas.
Esse fato que vem se engendrando nos últimos três ou quatro anos, aqui, entre nós. Entendo-o como uma resposta a uma das tendências mais vigorosas da arte contemporânea que se atrela ao uso de meios tecnológicos. Mas não se trata apenas de clicar com uma câmera digital qualquer coisa por aí, embora muitas obras nos dêem esta impressão, mesmo. Há toda uma série de ações que envolvem outros processos digitais intermediados por softwares, além dos aparatos infográficos responsáveis pelo produto que chega até ao público. Evidentemente, este artesanato tecnológico atrai a atenção dos artistas, principalmente os novos ou aqueles inábeis para um trabalho manual de qualidade, e parece constituir o eixo em torno do qual se estrutura esta tendência. Porém, não há forma sem conteúdo e a herança conceitualista é imperiosa, implicando que não adiantam os recursos técnicos de elaboração e acabamento, se não houver uma boa idéia por trás das imagens. E, diga-se, uma boa idéia explícita.
Sabe-se que a arte não é um discurso naturalmente claro. O público, assim como o artista, deve se esforçar em apreender e equacionar estas duas faces da obra: sua elaboração técnica e possíveis conceitos ali impregnados. Daí, esperar-se que artistas e montadores provejam as chamadas “bulas”, estas que devem e podem ser claras a fim de criar pistas que levem o público a uma compreensão das obras. A ausência de tais informações ou sua presença inócua ou imprestável faz que muita fotografia, mesmo que apareça tecnicamente perfeita, informe um vazio desconcertante.
Esta é uma reflexão introdutória a uma série de comentários que serão publicados nas próximas semanas, no que contarei com a contribuição de alunos da disciplina Crítica de Arte do Curso de Licenciatura em Artes Visuais. Acompanhe.

Vicente Vitoriano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…