Pular para o conteúdo principal

UM OLHAR INCOMUM SOBRE AS FAVELAS...

A cidade e suas margens


Com fotografias e vídeo de Elisa Bracher, a mostra registra habitações da Favela da Linha, em São Paulo, e as casas de origem de alguns de seus habitantes, na região Nordeste do país: Alagoas, Bahia, Ceará, Fortaleza, Paraíba, Pernambuco e Piauí.

Obra sensível que permite uma leitura das vivências, emoções e sociabilidade dos indivíduos, as 70 imagens feitas em 2007, de cunho antropológico e social, captam momentos em que a comunidade revela suas singularidades e criatividade nas formas e cores das casas e barracos.


A mostra busca refletir sobre as condições improvisadas de habitações na metrópole, que embora precárias e feitas com resíduos e materiais industrializados disponíveis, revelam inventividade expressiva de soluções.

Também estará em exibição um DVD (28:33) que documenta a visita de Elisa Bracher às famílias dos moradores da Favela da Linha em 16 localidades do Nordeste.



A história

Durante os últimos cinco anos, Elisa Bracher manteve um vínculo intenso com os moradores da Favela da Linha, localizada no entorno do Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), no bairro Vila Leopoldina, em São Paulo. Esse contato foi iniciado pela proximidade entre a comunidade e seu atelier, que passou a chamar a atenção dos habitantes da região. Assim foi criado o Ateliê Acaia, um espaço de convivência e atividades que, através do ensino da arte, auxilia crianças e jovens que vivem no local e suas famílias.

Devido ao crescente desenvolvimento imobiliário do bairro, os moradores da Favela da Linha, que ocupam o espaço há cerca de 40 anos, passaram a sofrer grande pressão das construtoras e da administração pública para deixarem o local. Nesse contexto, a artista realizou um levantamento fotográfico das casas para comprovar a quantidade de famílias residentes, como parte de um movimento por melhores condições de habitação.

Favela da Linha, em São Paulo

O conhecimento profundo da artista sobre a técnica da gravura conferiu às fotografias uma aparência muito próxima às impressões gráficas, que ultrapassam meros registros documentais. O resultado é uma obra sensível, que permite extrair uma leitura das vivências, emoções e da sociabilidade dos indivíduos, mesmo sem que nenhum deles apareça nas imagens.


Além disso, a mostra traz um olhar incomum sobre as favelas, que normalmente são vistas como redutos de pobreza onde reina a homogeneidade de construções. Trilhando o caminho contrário, Elisa Bracher buscou registrar momentos em que a comunidade revela suas singularidades, exprimindo a criatividade de seus moradores nas formas e cores das casas e barracos.

O estudo realizado na Favela da Linha deu origem a um segundo ensaio fotográfico, feito meses depois, em sete estados do Nordeste: Alagoas, Bahia, Ceará, Fortaleza, Paraíba, Pernambuco e Piauí. Elisa partiu em busca da origem de alguns dos migrantes que habitam a comunidade, registrando suas moradias da mesma maneira. O resultado obtido, no entanto, é completamente diferente. As casas são mais íntegras e menos amontoadas, o que permite enquadramentos mais amplos e a revelação de lugares, e mesmo de paisagens.



Comparando as duas séries, o curador Rodrigo Naves identifica um desdobramento do trabalho. “À fragmentação, precariedade e materialidade excessiva das moradias da Favela da Linha não subsiste nada que lhes dê guarida e amparo cultural”, diz ele. “Alheia a qualquer pretensão de erudição ou culturalismo, Elisa pôde ver com mais realismo como a unidade de nossa vida social se faz fundamentalmente de relações ásperas e descontínuas”.

A artista

Elisa Bracher (43) é escultora, gravadora e desenhista. Formou-se em Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), onde, desde 1989, passou a lecionar desenho e gravura. Conhecida por suas esculturas de grandes dimensões em madeira, metal e pedra, a artista despontou inicialmente como gravadora, em meados da década de oitenta. Desde então, sua produção de gravuras mantém um diálogo constante com seu trabalho escultórico.


Seus trabalhos estão expostos em diferentes locais públicos, como a Pinacoteca do Estado de São Paulo, a Fundação Cultural de Curitiba, o Museu Nacional de Belo Horizonte, o Museu de Arte Moderna de Salvador e do Rio de Janeiro, e o Essex University Museum, na Inglaterra. Elisa Bracher é representada pelo Gabinete de Arte Raquel Arnaud desde 2003. Pela galeria, realizou exposições individuais em 2003 e em 2006 e integrou a coletiva ‘Olhar Seletivo’, em 2007.

Curadoria: Rodrigo Naves e Elisa Bracher
Abertura: 27 de setembro, das 11h às 13h
Visitação: 28 de setembro a 16 de novembro


Fonte:
http://www.mcb.sp.gov.br/mcbItem.asp?sMenu=P002&sTipo=5&sItem=1054&sOrdem=0 (Lm)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…