Pular para o conteúdo principal

103,4 mil estudantes da PB têm depressão



Por: MARINA MAGALHÃES, do "Jornal da Paraíba"


Mais de 11% dos estudantes do ensino fundamental e do ensino médio sofrem de depressão na Paraíba. Segundo os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número corresponde a 103,4 mil crianças e adolescentes em um universo de 940 mil estudantes. É o que revela a pesquisa ‘Depressão no Contexto Escolar na Região Nordeste’, desenvolvida por 15 pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), sob a coordenação da professora da Pós-Graduação em Psicologia, Maria da Penha Coutinho. O estudo está sendo realizado com alunos da rede pública e particular de ensino de todo o Nordeste, concentrando-se nas capitais: João Pessoa, Recife, Natal, São Luís, Teresina, Salvador, Aracaju, Fortaleza e Maceió. Na Paraíba, os métodos de abordagem da pesquisa, que incluem Inventário da Depressão Infantil (CDI); Escala de Bem-Estar Subjetivo; Teste de Associação Livre de Palavras; Desenho-Estória com Tema; Escala de Avaliação das Estratégias de Aprendizagem e Questionário Sócio-Demográfico, já foram aplicados com 1.560 pessoas. Deste total, o índice epidemiológico da doença foi identificado em aproximadamente 170 entrevistados.

A professora da Pós-Graduação em Psicologia e coordenadora do Núcleo de Aspectos Psicossociais de Prevenção em Saúde Coletiva informa que a depressão investigada pela pesquisa é a doença “decorrente de efeitos traumáticos advindos do contexto social que interfere significativamente na qualidade de vida das pessoas, ocasionando sofrimento psíquico”. Penha Coutinho explica que ainda há outro tipo de depressão que é a provocada “pelo fator biológico, hereditário, comum nas famílias em que já há algum tipo de predisposição”.

Até o momento, a pesquisa já foi realizada em 22 escolas distribuídas por toda a Região Nordeste. Pernambuco tem liderado o ranking com o maior índice, registrando 12,8% de alunos com depressão, algo em torno de 270 mil alunos dentre os 2,1 milhões matriculados nos níveis avaliados. No Maranhão, o índice chega a 12,6%, ou 213 mil crianças e adolescentes entre as 1,7 milhão inseridas no contexto escolar. Os dados dos outros estados ainda estão em fase de análise.

A coordenadora do estudo explica que o trabalho obedeceu ao critério de contemplar escolas dos mais variados segmentos sociais, com o propósito de investigar o fenômeno em todas as classes. Ela assegura que a pesquisa foi aplicada somente mediante a permissão prévia da escola, do educador e dos pais dos entrevistados.“Nosso objetivo com este projeto é investigar a depressão na criança e no adolescente para buscar novas formas de lidar com as causas, os sintomas e o tratamento da doença”, justifica Penha Coutinho. “Esperamos que isso auxilie na avaliação psicológica preventiva e subsidie práticas sociais voltadas para a melhoria da qualidade de vida e do bem-estar nestas duas fases do desenvolvimento humano”.

síndrome

- Mudanças de comportamento repentinas como tristeza, isolamento, agressividade;

- Chamados dos pais são ignorados;

- Falta de interesse por atividades até então prazerosas;

- Atitudes de retraimento e de desinteresse permanentes;

- Aparência de aborrecimento, insatisfação. Quase nada lhe satisfaz ou dá prazer;

- Sentimento de rejeição e tendência a se afastar facilmente quando desapontado;

- Problemas do sono e alimentação;

- Idéias de suicídio e morte, principalmente nas crianças mais velhas e nos adolescentes.

Fonte: http://jornaldaparaiba.globo.com/v2008/cida.php?id=18475&IDNOT=1



Valeu, Fabrícia, pela dica....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…