Pular para o conteúdo principal

Morte e arte da vida: Homem vive em jazigo em SP

O jazigo fica no Cemitério Ana Rosa de Paula, em Jaú, interior de São Paulo

Nelson Alves trocou o banco de praça da cidade por uma das gavetas da sepultura

Para sair da sepultura, Nelson precisa passar agachado
Ele mora no local há cerca de seis meses
Túmulo serve de cama e armário, onde Nelson coloca seus pertences
O homem se lava em uma torneira dentro do cemitério
Nelson trocou o banco de uma praça da cidade pelo túmulo da família
Morador do cemitério caminha entre os túmulos

Alves não sabe o dia exato em que teve a idéia de se mudar

Cama onde Nelson passa as noites dentro do túmulo



Homem mora há 6 meses em jazigo com pais mortos

Cláudio Dias - Direto de Araraquara

Um jazigo no Cemitério Ana Rosa de Paula, em Jaú, interior de São Paulo, tem um habitante com uma história inusitada no município com pouco mais de 125 mil habitantes. Ao contrário dos outros 80 mil enterrados em mais de dez mil sepulturas, o pedreiro e armador de ferragens Nelson Alves, 58 anos, está vivo e, há cerca de seis meses, mora dentro do túmulo da família, junto com o pai, a mãe e uma irmã já falecidos.
Alves não sabe o dia exato em que teve a idéia de trocar o banco de uma praça da cidade por uma das cinco gavetas vazias da sepultura. "A minha irmã morreu há alguns meses e, desde então, passei a morar na rua. Como na praça só tinha gente usando droga e eu não sou disso resolvi vir morar no cemitério porque isso aqui me pertence", diz o pedreiro que também abandonou a profissão e aguarda a aposentadoria.
O jazigo tem oito espaços para comportar os mortos da Família Alves. No lado direito estão enterrados, de baixo para cima: sua mãe, seu pai e a irmã. "Eu durmo aqui em cima da minha irmã", brinca Alves, que tem apenas um irmão vivo e morando no asilo municipal. "Se ele morrer antes que eu, vai ficar na parte de baixo do túmulo porque esse espaço aqui (a última gaveta do lado direito da sepultura) é meu."
Admitindo problemas com a bebida, Alves afirma tomar várias doses de pinga ao dia. E a cachaça foi uma das responsáveis pelo fim do casamento há quase 30 anos. "Eu tive dois filhos que não vejo faz tempo. A menina pelo que eu sei virou advogada, mas nunca mais vi ninguém deles ou qualquer outro parente. Como não tenho ninguém fico aqui mesmo com meus pais e minha irmã mortos", diz.
O administrador do cemitério, João Fernandes Coelho Silva, lembra que Alves pertencia a uma família conhecida da cidade, mas, depois de perder os pais, os parentes mais próximos o deixaram de lado. "Era um bom trabalhador. Ele esteve na construção da Rodoviária e de outros prédios públicos da cidade", diz Silva, que conhece a vida do "inquilino". "Ele tem mais de 20 anos de carteira de trabalho assinada."
Silva afirma que procurou uma forma de retirar o pedreiro do cemitério temendo pela sua própria saúde. No entanto, o entendimento do Poder Público é de que o jazigo é particular, por isso, ele pode permanecer no espaço. "Lá é insalubre e, durante à noite, vive cheio de baratas, só que ele insiste em ficar", destaca o administrador do cemitério inaugurado em outubro de 1894.
Alves, por sua vez, não se preocupa com as baratas que percorrem a sepultura. "A Prefeitura até dedetizou aqui pra mim", diverte-se o pedreiro enquanto acende um cigarro. Dentro do tumulo, ele mantém um colchão fino, um travesseiro, dois cobertores, um tênis surrado e algumas poucas peças de roupa. "Isso aqui eu ganho do pessoal." Mas e a comida? Seu Nelson, como também é chamado, logo emenda: "Tem uma vizinha aqui do lado que me dá comida. Já até levei minha marmitinha pra ela."
O pedreiro criou um mundo particular dentro do cemitério de Jaú. À noite, quando o portão se fecha, corre até um tanque e toma banho. A roupa é lavada no mesmo local. Apesar da iluminação restrita, não teme ficar sozinho do jazigo. "Tá todo mundo morto, não tem problema não. Quando está calor eu até coloco o colchão aqui fora", exemplifica o morador do jazigo, apontando para o corredor entre os túmulos.
Visitando o cemitério, o desempregado José Carlos Oliveira, 51 anos, lembra que o pedreiro virou quase uma "atração turística" da cidade. "Tem gente que vem aqui só pra conhecer o cara que mora dentro do túmulo", brinca. Alves, inclusive, não fica intimidado em contar sobre sua vida e sentencia: "Já trabalhei muito na minha vida e não deu em nada. Agora, vou ficar aqui dormindo no túmulo, esperando a minha hora e tomando minha pinguinha."
Redação Terra
Fonte:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…