Pular para o conteúdo principal

A MODA, A MARCA E A SUBJETIVIDADE DO CONSUMO.

A indústria do vestuário vem se empenhado a cada dia, para tornar-se a indústria da moda, que movimenta no mundo todo cifras inumeráveis. A moda tem como objetivo o consumidor, e para atingi-lo, depende de muitas pesquisas, desenvolvimento de tecnologias em setores como a indústria têxtil e, profissionais da moda que envolvem equipes de design, de confecção, de produção da moda, de
comercialização e de divulgação.
A cada ano novos lançamentos das coleções, tendências, cores e novos comportamentos e atitudes serão absorvidos pelos consumidores. O Brasil não fica de fora dessa
avalanche do consumo, ocupa nada menos que o sétimo lugar mundial em produção têxtil, faz grandes investimentos em cursos de graduação e pós-graduação em moda, design, MBA, marketing e jornalismo, tudo voltado para a área fashion.
[...] A moda é descartável e efêmera, porém é importante para o mundo
moderno, faz parte da trama que liga o nosso organismo cultural. A marca, aparece nesse contexto, como mantenedora dos conceitos e estilos para garantir vendas em futuras coleções e exportações, pois o negócio das grandes confecções é cuidar da marca e do design. Todo o processo da moda e marca tem como grande fundamento a “potencialidade” do sujeito em expressar seus gostos pessoais; ser ele
mesmo; tornar-se único e / ou especial, entretanto, o que se verifica é uma pseudo-individualidade frente à massificação do consumo e da ideologia individualista. Junto a isso, assistimos
a humanização da mercadoria e a conseqüente mercantilização do humano, que só vem agravar o estado subjetivo e objetivo das relações intra e interpessoais. Lipovetsky nos chama a atenção, quando ressalva que a moda pode até diminuir os conflitos sociais, mas contribui em muito para o aumento do sofrimento individual. Tendo como discussão inicial de que a moda não quer dominar apenas o físico, mas também nossa maneira de agir e pensar. [...] A exclusão social provocada pela produção da moda e marca, quer pela formação de guetos e / ou tribos ou quer pela competitividade exacerbada é um fenômeno social, um fenômeno coletivo que governa as nossas relações, a ponto do vestuário participar da constituição da identidade. Assim como a paisagem urbana fica marcada pela ação predatória das marcas, as mentes
dos consumidores também sofrem pressões para adquirir uma figura mítica, altamente sedutora, dotada de poderes especiais de magnetismo, calcada no imaginário social.

resumo de artigo de autoria de
Catarina Satiko Tanaka (UEM)
Déborah Eliete Marques Sanches (UEM
José Jacinto Maia Neto (UEM)
Juliana Lenartovicz (UEM)
Luciana Domenici de Lara (UEM)
Luiz Fernando Gomes Corazza (UEM)

Divulgado bos Anais do VI Semana de Psicologia da UEM: Subjetividade e Arte
Maringá-UEM, entre 06/10/2004 à 08/10/2004.
Fonte: http://www.dpi.uem.br/vi-semanapsi/pdf/A%20MODA%20A%20MARCA%20E%20A%20SUBJETIVIDA.pdf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…