Pular para o conteúdo principal

Sucateamanento da Biblioteca Central e da UFPB


Foto: Erinaldo Alves
Instalação: protesto docente.

Faz tempo que os governantes dizem que a educação é uma prioridade. Na UFPB, tal enunciado precisa encontrar respaldo no dia-a-dia. A foto acima foi realizada enquanto ministrava minha aula de Metodologia do Ensino das Artes Visuais, no dia 29.11.2007, na sala de exibições I, da Biblioteca Central da UFPB.
Representa uma tentativa de fazer uma instalação com os móveis sucateados, abandonados e sem reparos da sala de exibições I, do setor de Multimeios. Ministrar uma aula, usando as novas tecnologias, por exemplo, data show, é uma verdadeira peregrinação e uma lamúria na UFPB. O computador da sala de exibições I, prestem atenção no nome da sala, é pesadíssimo e não tem entrada para pen drives. Já enviei e-mails, falei ao telefone com a diretoria e, pessoalmente, com a coordenação e, até agora, nada. Muitas vezes, o que se precisa é só cuidado com o patrimônio público.
O bireaux está velho e com uma perna solta. Quase levo uma queda ao me encostar nele. Quando isso aconteceu, aproveitei-me da situação desembaraçosa para protestar. O móvel quebrado, o que fazer, além da vergonha???
Foi quando alguém da turma disse, indo ao encontro do meu pensamento e da minha ação: vamos fazer uma instalação!!! Foi o que fiz, com as sugestões da turma. É uma instalação de protesto contra o aparente estado de abandono da UFPB e da Biblioteca Central.

Erinaldo Alves

Comentários

Anônimo disse…
Gostei muito da montagem,que o ilustrissimo professor fez na sala de exibição i da BC, porem acho que
o professor não teve tanta criatividade assim, fez a montagem
em um local bastante frequentado,e
ninguém vai acreditar em tal ficção, pois quem conheceu a BC a alguns anos atrás sabe o que a atual diretoria vem fazendo em termos de equipamentos, compra de livros e mudança nas instalações em geral para dar um melhor conforto aos usuarios e professores, porém as salas de aulas da BC, são usadas por diversos cursos da UFPB e é de se estranhar que so o dignissímo com sua visão e criatividade de artista visual, conseguio esta OBRA(defecavél),para tentar denegrir a imagem da BC, puramente por cunho político. Professor use sua criatividade para coisas boas e não para o mal, seu babaca.
Anônimo disse…
Lamento que meu protesto esteja sendo mal compreendido. Nao tenho pretensao de denegrir a imagem da BC. Ao contrário, preservá-la. Quis demonstrar minha insatisfaçao com o descuido. Afinal, poderia ter acontecido um acidente mais grave comigo, durante uma aula. Isso ocorreu na frente de mais de 20 alunos meus. Usar a arte para criticar e propor cuidados com o patrimônio público é um exercício de cidadania.
Anônimo disse…
Sr. professor, agora é tarde, não precisava fazer esse tipo de critica, jogar a opinião pública contra a administração da Biblioteca, isso não se faz... pelo que eu estou sabendo vc foi sempre bem assistido pelo povo desta unidade isso eu chamo de traição... procure de outra forma a "preservar" como o sr. mesmo falou, revelando tudo de bom que esta administração tá fazendo em prol de toda a comunidade que frequentra a Biblioteca.
Não vou chamar vc de "Babaca" como o amigo acima o citou, vc mesmo sabe o que vc é!
Impressiona a retaliaçao que recebo por uma crítica pertinente que fiz. É só responderem: a sala de exibiçoes I estava funcionando bem? Os equipamentos vinham sendo atualizados?
Estou falando da sala I, mas a II ainda é pior. Vejam vocês mesmos. Os espaços destinados para aula sao sufocantes. Um calor enorme.
Fico estarrecido, também, com o nível da interlocuçao e a tentativa de baixar o nível da discussao. É tanto que nao assinam os textos. Quem é "babaca"?
Aos que tentam me caluniam, digo que os adjetivos empregados dizem muito mais do interlocutor do que de mim.
Parece que estamos na época da ditadura...Quem critica é alvo de perseguiçao. Só querem ouvir elogios, como se tudo estivesse perfeito.
A sala de exibiçoes I estava precisando de atençao faz muito tempo. Por exemplo, o bireaux com a "perna quebrada" permaneceu na referida sala, de dezembro até agora. Só tiraram de lá na semana passada depois de tomarem conhecimento da crítica que fiz aqui. Como podemos chamar isso?
O bireaux desmoronou no final de novembro. Fiz a crítica em dezembro. Até a semana passada nada tinha sido feito de concreto.
Outra coisa, prestar bom serviço nao é favor, é uma obrigaçao de quem é "servidor público". Os funcionários recebem seus salários para agirem assim. Esta é uma visao míope e extremamente tendenciosa. Estao tentando "privatizar o serviço público."
Aprendi que nao existe prática educacional perfeita, tampouco gestao perfeita. Sempre há algo a melhorar. A minha crítica é construtiva. Ela demarcará o antes e o depois. Perguntem a quem usa a referida sala para palestras e aulas, o que acham dela?
Esse é outro problema: nao se faz pesquisa de usuário para avaliar os serviços e os setores. O usuário é a razao de ser de qualquer órgao e, também, da biblioteca.
Posso trair a expectativa de determinadas pessoas, mas nao traio a minha própria consciência. Estou muito satisfeito porque minha crítica está sendo ouvida e, depois da conversa que tive com a diretora, estou sabendo que providências concretas estao sendo tomadas. Vejo seriedade na direçao da BC e na maioria da equipe. Quando mudanças ocorrerem na sala de exibiçoes I, postarei algum comentário aqui.
Toda a informaçao respeitosa que obtiver a respeito das providências, divulgarei com prazer.

Erinaldo Alves
Erinaldo Alves disse…
Errata: Ao ler "Aos que tentam me caluniam", leia-se "Aos que tentam me caluniar". Erinaldo Alves.
Liege Machado disse…
Prezado Erinaldo...

Louvo sua competência e desdobramento para produzir no alunado um posicionamento crítico em relação ao que se espera do serviços público, em especial, do seguimento educacional mais cobiçado pela sociedade: a Universidade.

Muitos dos empreendimentos para gerar mudanças que propiciem benefícios para a comunidade acadêmica, iniciam-se com a abordagem séria, responsável e criativa, como a que se vê nesse texto postado em DEZEMBRO DE 2007.

E nesses casos pouco importa qual a gestão que provocou o caos, o mais importante é: _ Como encarar os fatos e minimizar o resultado prejudicial ao salutar desenvolvimento da Instituição? Esse posicionamento sim faz toda a diferença e quem sai ganhando é toda uma comunidade acadêmica: gestores, professores, alunos, funcionários e demais cidadãos brasileiros que defendem uma estrutura física, no mínimo adequada e satisfatória, nas Universidades Brasileiras.

Liege Machado - Func Púb Federal
Anônimo disse…
ERINALDO ALVES, sempre foi um péssimo professor,mal caratér e sem credibilidade. Conquistador barato das alunas.Tipo de gente dissimulada.MEUS PÊSAMES PARA O CURSO DE ARTES DA UFPB, POR TER EM SEU DEPARTAMENTO UM PROFESSOR TÃO CALHORDA. ENSINA MAL PRA CARAMBA, UM BURRO NA UFPB. AULAS PÉSSIMAS....E AINDA SÓ QUER SER, VAI ESTUDAR ERINALDO PREGUIÇOSO.
Anônimo disse…
Também fui aluno desse professor Erinaldo, o mesmo é péssimo!!!!! deveria já tá fora da UFPB,mas não tem fiscalização para professores, eles usam e abusam, dão péssimas aulas e não acontece nada, é uma vergonha!!! FORA ERINALDO BURRO!!!!
Anônimo disse…
Concordo com vocês, o professor ERINALDO ALVES é PERIGOSO E MENTIROSO. Péssimo professor de artes. NÃO APRENDI NADA COM ELE, AULAS PÉSSIMAS!!!!! E AINDA VIVIA ME DANDO CANTADAS, UM SAFADO, DETESTO ELE.

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…