Pular para o conteúdo principal

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa



"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a década de 50 a educação era baseada na expressão artística, no ato de fazer, mas que desde então se iniciou uma mudança metodológica no ensino das escolas, que tentam preparar melhor os alunos para ver e entender as obras de arte. "O público em geral sabe que a arte contemporânea, a que está nos museus é o código erudito, o código do poder. Sem dominar esse código ele se sente longe do poder sobre a sua própria cultura".
Ana considera a produção cultural do país "muito boa", mas acha que os artistas brasileiros estão escondidos do público. "Eles têm espaço nas galerias, e também nas feiras internacionais, mas só são mesmo valorizados depois de fazer sucesso no exterior", declara. A professora considera uma "perversidade terrível" com o público o fato de os museus possuírem grandes acervos e mantê-los guardados por falta de espaço, quando deveriam manter as obras expostas permanentemente.
E o que as artes plásticas estão dizendo do país, atualmente? "Estão perguntando: onde está a nossa salvação?", responde Ana. "Todo projeto com as classes menos favorecidas, crianças de rua, crianças prostituídas, têm começado pela arte", pondera, lembrando também do contato do fotógrafo Sebastião Salgado com o Movimento dos Sem-Terra. "A arte está escondida, mas presente em todos esses movimentos de recuperação social. Graças a iniciativas pessoais e não-governamentais, está acontecendo".
A professora está organizando o curso de aperfeiçoamento Aprendizagem da Arte e Cultura Contemporânea, que ocorre de março a junho e é destinado àqueles que querem melhorar sua apreciação pessoal das obras de arte e, principalmente, para professores que querem ensi-nar arte para seus alunos e não têm diploma universitário ou equivalente no currículo. O curso que Ana organiza inclui ateliês e aulas sobre história da arte e metodologias de ensino e aprendizagem da arte. Os alunos farão trabalhos artísticos, buscando referências na produção contemporânea e aprenderão a ler e analisar as obras de arte com referenciais históricos. "O fazer é muito importante para despertar a capacidade perceptiva para as nuances da construção artística", explica a professora. "Ao mesmo tempo, nossa história da arte pretende entrecruzar a linha do tempo com a análise das obras e da relação entre seus elementos, para tentar construir seu significado", conclui."

Entrevista concedida por Ana Mae Barbosa para a Agência USP de Notícias.
FONTE: http://www.usp.br/agen/bols/2000/rede529.htm

Comentários

Katia disse…
Como você também acredito que toda educação começa pela cultura e é assim que nos chegamos enquanto educadores as classes menos favorecidas, são em projetos visualizados por aqueles que sonham, com uma educação melhor e que todos temos sensibilidades a cultura independente se somos ricos ou pobres.

Katia (professora e estudante de pedagogia)
Anônimo disse…
Eu espero que um dia a disciplina de Arte seja reconhecida, seu artigo vem mostrar essa necessidade.
Leandro Rocha disse…
Eu sou Arte educador e concordo com a senhora plenamente ,sou fâ das sua terias .

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…