Pular para o conteúdo principal

3 Brinquedos como potencial de significado semiótico

Brinquedos são essencialmente multi-modais – eles são:

Objetos tridimensionais que podem ser lidos e interpretados como textos (entendemos textos, semióticamente falando, como objetos materiais concretos produzidos em discurso, e sua estrutura comunicativa (HODGE e KRESS, 1988, p. 6));

Objetos para serem manipulados e usados.

Kress (1993, p. 174) sugere que todos os textos “codificam da mesma forma as posições ideológicas de seus produtores”. Como signos semióticos e, portanto ‘textos’, os brinquedos também se localizam em discursos de gênero, idade e classe social, entre outros.

Também possuem as características básicas daquilo que Scollon rotula de “discurso mediado” (2000/5):

Os brinquedos são interdiscursivos “posicionados dentro de discursos múltiplos, sobrepostos e mesmo conflitantes” – os discursos da família, da escola e da publicidade;

Têm elos intertextuais com outros meios de comunicação de massa, especialmente com as narrativas clássicas e modernas de todo tipo – livros, filmes e histórias em quadrinhos. Em muitos casos, fica-se em dúvida do que apareceu antes – se o brinquedo como objeto, ou se histórias que eventualmente se transformam num brinquedo. Ursinhos de pelúcia, por exemplo, foram primeiramente produzidos como brinquedos e posteriormente, diferentes estórias, recontadas em diferentes mídias (filmes, livros, desenhos animados, etc.) foram produzidas após o brinquedo (GREY e GREY, 1995). Um processo inverso ocorre atualmente com os últimos filmes Disney, que começam como narrativas e são fonte de muitos brinquedos.

São dialógicos – um meio através do qual diferentes tipos de ‘conversas’ podem ser estabelecidas.

O significado dos brinquedos é, assim, uma combinação entre o que os brinquedos propriamente ‘são’ (os significados dados às crianças pela indústria de brinquedos), e o que as crianças ‘fazem’ com os brinquedos, ou as maneiras como elas os usam. Presumimos que quando as crianças brincam, os sentidos que criam não são necessariamente os mesmos atribuídos pelo fabricante ao brinquedo. As crianças podem aceitar, rejeitar ou transformar os significados oferecidos. Os signos oferecidos, conseqüentemente, poderiam ser reinterpretados/re-apropriados e recriados pela criança que brinca, com outros signos (incluindo signos de outros modos como a fala, expressões faciais, gestos, roupas). Em outras palavras, os brinquedos são um código, uma linguagem com a qual as crianças podem construir seus próprios roteiros/narrativas, de modo a incorporar os signos distribuídos globalmente aos contextos específicos de seu próprio mundo: a escola ou a família. (VANDENBERG, 1986; SUTTON-SMITH, 1986). Um personagem da Playmobil, por exemplo, construído como um ‘bombeiro’, torna-se um bebê que pode ser posto para dormir (e a maca do bombeiro é transformada num berço pela menininha que brinca com o objeto).

Podemos dizer, assim, que brinquedos são, simultaneamente, comunicações já produzidas e ferramentas com as quais se produzem significados. Podemos traçar analogias entre brinquedos como sistemas comunicativos e a linguagem como um sistema – ambos produzem significados ideacionais, interpessoais e textuais (HALLIDAY, 1985). Nós interagimos com os objetos de acordo com estas três dimensões. Os brinquedos, como um “sistema semiótico, projetam as relações entre o produtor de um signo ou um signo complexo, e o receptor/reprodutor daquele signo. Os brinquedos também projetam uma relação social particular entre o produtor, o observador e o objeto representado” (KRESS e VAN LEEUWEN, 1996, p. 41). E, finalmente, eles podem ser textualizados de muitas maneiras diferentes, através de estórias, filmes, desenhos animados, fotos, comerciais, etc.

Autores: Carmen Rosa Caldas-Coulthard e Theo van Leeuwen
Fonte: http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0403/01.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…