Pular para o conteúdo principal

Versão Tupinambá da colonização Brasileira


Cena de combate entre os Tupinambás e Marcajás. Jean de Lery, 1578.
Fonte da imagem: www.geocities.com/.../Indio/guerra_ind.htm

CONTANDO NOSSA PRÓPRIA HISTÓRIA - I Parte

Éramos várias Nações de etnias diferentes (estima-se mais de 1000). Habitávamos este território, hoje chamado de Brasil, onde cada povo tinha sua cultura e tradição. Éramos milhões de indivíduos povoando esta terra.

Então surgiram, no horizonte, embarcações cheias de figuras estranhas, jamais vistas pelos nossos antepassados: homens vestidos espalhafatosamente, com o corpo todo coberto -- inadequados ao clima existente --, com uma fala esquisita, incompreensível aos ouvidos. Desembarcaram, e sem pedir licença pisaram em nossas terras (em nossos lares).

Nossos ancestrais não sabiam que, aquele exato momento, dava início ao declínio de uma raça! Estes invasores trouxeram paus-de-fogo, micróbios letais e uma cultura incabível a nossa realidade. Sendo assim, Nações inteiras foram dizimadas: milhares de pessoas mortas -- o maior genocídio cometido em todos os tempos. - E como se não bastassem todas essas catástrofes, as nossas riquezas naturais foram roubadas, eram elas pedras preciosas, nossa fauna, e nossa flora. Os nossos invasores passaram a ser detentores de tudo que possuíamos. Ainda hoje, nos dias hodiernos, usufruem o que retiraram do nosso solo sagrado.

Essas pessoas, até então desconhecidas, queimaram as habitações, violavam os locais sagrados, destruíram as plantações, estupraram as mulheres e mataram todos aqueles que não se submeteram às suas ordens. Ceifaram a vida de todos que encontraram no caminho, dos mais velhos às crianças -- de todas as idades. Foi um verdadeiro crime de guerra! Uma barbárie foi implantada pelos gananciosos, que violaram nosso direito originário. Soldados desses invasores recebiam soldos por retirarem a maior quantidade de testículos dos homens, das mais variadas Nações encontradas, e entregue aos seus superiores: estratégia brutal utilizada para pôr fim à história dos verdadeiros donos do território que foi invadido (regiões próximas ao litoral). Os mais resistentes fugiram floresta adentro, os capturados foram submetidos ao regime de escravidão e proibidos de exercerem a liberdade de expressão (cultura e tradição). Várias línguas se perderem ao longo do tempo, através dessas medidas proibitórias. Os que não puderam fugir tiveram seus hábitos modificados à força, foram submetidos a práticas alheias, tiveram de modificar os seus hábitos alimentares, a forma com a qual se vestiam, a linguagem e as crenças; sendo, desta maneira, imposta à miscigenação.

Fazia parte da cultura dos invasores, os chamados por nós "homens brancos", a escrita e instrumentos poderosos capazes de fazer tombar vários corpos sem vida ao chão. Essa condição proporcionou-lhes vantagens para que se tornassem vitoriosos. -- Alguns dos nossos, chegaram a acreditar que tais brancos fossem deuses enviados para levá-los a um lugar melhor para se viver. Em contrapartida, éramos vistos como seres humanos selvagens, como animais encarnados à forma humana (visão preconceituosa ainda existente na sociedade em que vivemos).

Séculos se passaram e ainda lutamos! Resistimos contra todas as práticas de violação dos direitos humanos, sofridas até hoje. Guardamos em nossas entranhas os nossos segredos, os nossos hábitos e crenças; em nossos genes continua guardado o espírito de sobrevivência. Ainda lutamos. Para termos direito de continuarmos à vida, retomando nossos territórios, resgatando através dos nossos velhos nossa verdadeira identidade. Ainda somos discriminados, descaracterizados e ridicularizados pelos nossos costumes, nossos valores. Preservamos a Mãe Natureza e amamos tudo que existe, não possuímos a ganância, a vontade de acumular bens enquanto os outros vivem na miséria. Acreditamos nos espíritos dos nossos antepassados, na nossa medicina natural, cantamos e dançamos para reverenciar e agradecer ao nosso Deus por tudo que alcançamos. Para nós não existe o feio e o pobre, nem o pior. O que nos indigna é o mal impregnado que destrói tudo e todos: estão destruindo o planeta, conseqüentemente a vida de todos, não conseguem parar porque o orgulho que possuem não permite enxergar a verdadeira essência, são robôs-humanos, teleguiados para autodestruição. Não podemos mais caçar, pescar, e nem plantar, porque os herdeiros das Nações hipócritas e gananciosas continuam praticando o extermínio, através da sua cultura progressista. Eles podem tudo, nós não podemos nem mesmo ter o direito de continuar vivendo, lutando para que nossas futuras gerações possam perpetuar. -- Nós não queremos uma luta de raças, pois acreditamos que, apesar das diferenças, o ser humano compõe uma única raça, portanto somos todos diferentes e ao mesmo tempo todos iguais. O que queremos é que essa igualdade vista por nós, seja vista por todos: queremos igualdade social e respeito.


No entanto, representamos uma ameaça ao mundo dito "civilizado", somos os primitivos, os selvagens, o feio, o esquisito, porque não nos rendemos e respeitamos a nossa cultura, fazendo com que esta prevaleça entre nós. Ainda não tomaram tudo que possuímos e não irão conseguir, porque possuímos um bem maior: a dignidade.


Somos mais de 225 etnias diferentes e mais de 170 línguas faladas, aqui no BRASIL!

Auere!

Yakuy Tupinambá

Fonte do texto: http://www.indiosonline.org.br:80/blogs/index.php?blog=4&p=1780&more=1&c=1
Valeu Selma Lessa, pela colaboração!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…