Pular para o conteúdo principal

A representação da adolescência no cinema - anos 2000

Da juventude em tela: os adolescentes vistos pelo cinema

Julio Groppa Aquino

Com o intuito de configurar algumas reflexões preliminares sobre o tipo de abordagem cinematográfica da temática da "adolescência", foram eleitas três recentes obras consideradas ao mesmo tempo "de qualidade" e "polêmicas", tendo sido aclamadas tanto pelo público quanto pela crítica. A saber: Ken Park (2002), Elefante (2003) e Aos treze (2003). As três produções são norte-americanas. Conheçamos brevemente seus enredos.

KEN PARK (por Larry Clark e Edward Lachman)

Ken Park narra um período de 48 horas das vidas singulares de quatro adolescentes: Shawn, que mantém relações sexuais com a mãe da namorada; Claude, um jovem aficcionado por skate e oprimido pelo pai beberrão; Tate, o mais desconcertante de todos, o qual convive com os avós a quem odeia e maltrata constantemente; e Peaches, a única garota dos quatro, a qual é obrigada a lidar com as bizarrices do pai viúvo e fanático religioso. O filme apresenta ainda uma série de outros personagens "estranhos", adultos ou não, com os quais os quatro personagens principais convivem. Aqui, nada há de "normalidade", ou, se há, apresenta-se apenas como uma espécie de superfície de práticas bastante heterodoxas.

O enredo é apenas um pano de fundo para expor o cotidiano atípico de uma parcela dos jovens americanos contemporâneos. Marcados pela díade sexo/drogas, seus atos parecem se constituir como uma linha de fuga constante mediante as imposturas dos mais velhos, redundando num encarceramento no presente e na subtração máxima de sensações corporais.

Em Ken Park, a juventude parece representar uma caixa de ressonância dos descaminhos morais da vida adulta. Mais especificamente, são os pais ou parentes dos personagens os que mais abusam dos filhos ou os manipulam, seja de modo explícito, seja velado. O desfecho de tal configuração é, na maior parte das vezes, trágico. Por isso, talvez, o título do filme. Trata-se do nome de um garoto skatista ruivo e sardento, cujo destino é dado a saber logo no início: ele se mata diante da câmera, disparando um tiro contra a própria cabeça.


Fonte: blog.sina.com.cn/u/48924027010002zf

AOS TREZE (2003, por Catherine Hardwicke)

Aos Treze acompanha o intrincado processo de transformação de Tracy, uma estudante adolescente típica que mora nos subúrbios de Los Angeles com o irmão e a mãe cabeleireira. Ao ingressar no ginásio, a personagem entra em contato com a forte pressão dos grupos escolares e, a título de angariar "popularidade" entre seus pares, torna-se amiga de Evie, a garota mais conhecida da escola. Ela então é apresentada ao submundo do sexo, das drogas, dos pequenos roubos e da mutilação, o que gera uma pessoa agressiva e a coloca em conflito com seus antigos colegas e, principalmente, com sua mãe.

A protagonista vive num ambiente familiar mais parecido com o de uma república adolescente: o pai é ausente; a mãe mora com o namorado recém-recuperado das drogas e age como sendo da mesma idade que ela. Daí, talvez, a forte ligação entre as duas colegas, Tracy e Evie, as quais exibem uma capacidade acentuada de mentir e manipular os adultos.

Aos Treze propõe-se a retratar as mazelas do ingresso no mundo adulto pela porta dos fundos, digamos. Uma espécie de negativo fotográfico de uma parcela crescente da presente geração de jovens e, principalmente, de um mundo adulto atravessado por pendências morais.


Fonte: http://www.falhanossa.com/AOS-TREZE.jpg

ELEFANTE (2003, por Gus Van Sant)

Embora não se trate de uma reconstituição, Elephant narra as 24 horas que antecedem o massacre, em 1999, da escola Columbine, EUA, em que dois rapazes, antes de se suicidarem, mataram 12 colegas e um professor.

Embrenhando-se nos corredores labirínticos da escola, o filme retrata, à moda de um quebra-cabeça, várias situações cotidianas envolvendo sete ou oito personagens adolescentes. Por meio de suas histórias cruzadas, é possível adentrar o mundo complexo da adolescência contemporânea e deter o olhar sobre os comportamentos dos protagonistas quando deixados à própria sorte.

Na cena inicial do filme, o pai de um dos adolescentes retratados está levando o filho para a escola. Embriagado, ele precisa da ajuda do jovem para voltar para casa. Talvez aí resida a tese principal do filme: os atos limítrofes dos adolescentes talvez sejam apenas uma reação ao mundo adulto do modo tal como hoje está configurado.

A propósito, o título elephant remete a uma parábola budista segundo a qual vários cegos dispostos em torno de um elefante são capazes de o ver em seus pormenores, mas nenhum o consegue ver na totalidade. Em última instância, tratar-se-ia de algo semelhante à nossa atitude mediante as novas gerações.


Fonte: http://www.cranik.com/images/elefante.jpg

Algumas considerações

Em maior ou menor grau, temos, nos três filmes, um painel de traços hiper-realistas, e talvez de denúncia, sobre o cotidiano de adolescentes americanos (de classe média) em situação de vulnerabilidade psicossocial, esta traduzida em uma série de atos banais de violência física e moral, auto e hetero-impingidos, os quais ultrapassam em muito a imagem de antagonismo geracional supostamente típica dos tempos juvenis.

O viés de análise do material cinematográfico por nós eleito aponta menos para um estado de coisas anômalas carreado por uma juventude "transgressora", e mais para um quadro de desagregação das práticas sociais que delimitam as possibilidades subjetivantes das personagens (em particular, o tipo de envolvimento com os adultos com que se defrontam cotidianamente).

Isso significa que parece haver, em curso, um processo crescente de diluição das fronteiras sócio-culturais que historicamente distinguiam as experiências características do jovem daquelas do adulto, redundando numa espécie de deriva identificatória para os mais novos.

Em disputa pelo monopólio de uma certa "jovialidade de longa duração", jovens e adultos vêem seus lugares e papéis justapostos, às vezes invertidos – donde a vivência juvenil tornada uma espécie de simulacro de determinadas experiências limítrofes do mundo adulto (mormente aquelas ligadas ao sexo, às drogas e à violência), segundo as quais o viver passa a ser ajuizado por sua intensidade, e não mais por sua durabilidade.

Tal modo de organização societária, no que diz respeito ao convívio entre as gerações, não tardará a mostrar seus efeitos, visto que não há futuro sustentável para os jovens (e, por extensão, para o mundo público) sem a imersão numa certa tradição – noção arendtiana definida por Jurandir Freire Costa como "a imagem do mundo segundo a força e o talento dos ancestrais".

Se, por um lado, tal processo é responsável pela gestação de inéditos modos de subjetivação juvenil, por outro, ele enseja alguns perigos, principalmente no que diz respeito à erosão tanto da autoridade dos mais velhos quanto da autonomia dos mais novos, estas alvos precípuos do embate entre as gerações (leia-se, educação) e, conseqüentemente, ingredientes basais de uma certa antevisão de futuro.

Fonte: Simpósio Internacional do Adolescente
http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000082005000200058&script=sci_arttext

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…