Pular para o conteúdo principal

Representação da adolescência no cinema

O conceito de adolescência foi criado pelo psicólogo americano Stanley Hall. Antes, a mudança da infância para a idade adulta era marcada por ritos de passagem

Desde a sua criação, o cinema tem sido um espelho da realidade e dos anseios das pessoas comuns. Saiba como Hollywood retratou a adolescência nas últimas décadas:

Década de 50
É nessa época que Hollywood começa a transformar adolescentes em protagonistas de seus filmes. Jovens problemáticos como Marlon Brando, em O Selvagem, e James Dean, em Juventude Transviada, fazem sucesso. As meninas inocentes suspiram pelos motociclistas topetudos vestidos com calças apertadas e jaquetas de couro.


Juventude Transviada (Rebel Without a Cause, EUA, 1955)


Foto de Marlon Brando no filme O SELVAGEM (The Wild One):

Década de 60
É a década que consagrou os Beatles e os Rolling Stones. Os estúdios continuam produzindo filmes sobre adolescentes rebeldes mas também apostam na alegria da juventude. Enquanto os Beatles protagonizam A Hard Day's Night e Help! e conquistam a América com seu alto-astral, Sidney Poitier "doma" seus alunos no drama Ao Mestre com Carinho. Já no fim dos anos 60, surgem filmes que mostram os jovens como força transformadora da realidade. São dessa época Sem Destino, com Peter Fonda e Dennis Hopper, e Uma Rajada de Balas, com Warren Beaty.

A Hard Day's Night (A Hard Day's Night, Inglaterra, 1964)
Help! (Help!, Inglaterra, 1965)
Ao Mestre com Carinho (To Sir with Love, Inglaterra, 1967)
Uma Rajada de Balas (Bonnie and Clyde, Estados Unidos, 1967)
Sem Destino (Easy Rider, Estados Unidos, 1969)


fonte: http://www.mhrpsicologos.com.br/filmes_livros/aomestrecomcarinho_small.jpg


Fonte: http://adorocinema.cidadeinternet.com.br/filmes/rajada-de-balas/rajada-de-balas-poster03.jpg


SEM DESTINO
Título Original: Easy Rider
Abordagem: Dependência Química
Direção: Dennis Hopper
Elenco: Jack Nicholson, Peter Fonda, Dennis Hopper
Legendas: Chinês, Coreano, Espanhol, Inglês, Português, Tailandês
Ano de produção: 1969
País de produção: Estados Unidos
Cor: sim
Duração: 95 min.
Distribuição: Columbia Pictures


Década de 1970

A partir dos anos 70, os grandes estúdios percebem que o maior público de cinema são adolescentes. Para se ter uma idéia, 70% dos ingressos são vendidos para menores de 18 anos. Filmes que são puro entretenimento surgem e, com eles, John Travolta se transforma no galã da década. Comédias leves como Embalos de Sábado à Noite e Grease - Nos Tempos da Brilhantina contrastam com dramas pesados, como Cristiane F., que mostram como a adolescência também é um período de dor e sofrimento (apesar de Christiane F. ter sido rodado em 1981, ele retrata os bastidores das drogas na Berlim dos anos 70). Ainda nessa década, o terror adolescente invade as telas sempre como uma metáfora para a descoberta da sexualidade. Filmes como Carrie, a Estranha imortalizaram a cena em que um casal de namorados é morto enquanto troca carícias no quarto.

Grease - Nos Tempos da Brilhantina (Grease, Estados Unidos, 1978)

Década de 1980

Hollywood aposta cada vez mais fichas no público teen. O produtor e diretor John Hughes é consagrado o rei dos filmes de adolescentes. As fórmulas de sucesso das décadas anteriores cedem espaço aos fraternity movies, aqueles que dividem a escola ou a faculdade em estereótipos (a loira chefe de torcida, o atleta popular, o adolescente tapado, a menina inteligente e feia, o aluno rebelde). Comédias como Porky's, Picardias Estudantis e O Último Americano Virgem retratam a adolescência como o tempo das grandes descobertas: principalmente a do sexo.

Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller's Day Off, Estados Unidos, 1986)
Clube dos Cinco (The Breakfest Club, Estados Unidos, 1985)
A Garota Rosa-Choque (Pretty in Pink, Estados Unidos, 1986)
Sixteen Candles (Sixteen Candles, Estados Unidos, 1984)


Clube dos Cinco (The Breakfest Club, Estados Unidos, 1985)

Década de 1990

Os anos de 1990 estão marcados como a década da exploração comercial descarada da adolescência. Tudo girou em torno dela: filmes de terror, comédias românticas, dramas e refilmagens do sempre popular Shakespeare. Pânico, As Patricinhas de Beverly Hills, Intrigas, Segundas Intenções seguem esta linha. O interessante da época foram alguns filmes que mostram adolescentes alternativos ou que abordam a juventude de forma criativa. Hackers e Kids fazem parte desse time.

Kids (Kids, Estados Unidos, 1995)
Hackers (Hackers, Estados Unidos, 1995)
As Patricinhas de Beverly Hills (Clueless, Estados Unidos, 1995)
Pânico (Scream, Estados Unidos, 1996)
Segundas Intenções (Cruel Intentions, Estados Unidos, 1999)
Vamos Nessa! (Go, Estados Unidos, 1999)



2001/2002

Apesar de os produtores continuarem investindo em histórias leves, românticas, de terror juvenil e dramas adolescentes, este ano e o próximo prometem ser dominados por refilmagens e adaptações de games, histórias em quadrinhos e desenhos animados. Representam essa nova tendência: X-Men (ainda em 2000), Tomb Raider, Homem Aranha, Scooby Doo (que estréia nos Estados Unidos em 2002), Josie e as Gatinhas e Final Fantasy.

> Homem Aranha (Spider-Man, Estados Unidos, 2002?)
Josie a as Gatinhas (Josie and the Pussycats, Estados Unidos, 2001
Lara Croft: Tomb Raider (Lara Croft: Tomb Raider, Estados Unidos, 2001)
Final Fantasy (Final Fantasy:The Spirits Within, Japão/Estados Unidos, 2001)



Fonte referencial: http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/jovens/adolescencia.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…