Pular para o conteúdo principal

Persistência do jesuitismo no presente: concepção de ensino e bom professor


Imagem disponível em www.achetudoeregiao.com.br

O ensino das artes e ofícios reforçava a produção artística em consonância com as necessidades do templo católico, das reduções e associações ou irmandades. A temática religiosa e a configuração formal advinham de um modelo europeu. A execução da arte era um auxílio da graça divina.

Dominar múltiplas habilidades, garantindo uma produção artística condizente com a temática católica e com modelos europeus, era o que deveria desejar saber mestres jesuítas e aprendizes. A confecção de um objeto pelo aprendiz, semelhante ao modelo, revelava a efetivação da conversão. Todo o repertório iconográfico que pudesse incutir a visão do amor a Deus, a piedade, a santificação e a obediência constituía uma "boa imagem".

Um bom sujeito docente nas artes e ofícios, nos séculos dezesseis e dezessete na colônia brasileira, deveria ser um sacerdote estrangeiro, vinculado a uma ordem religiosa, proveniente de países europeus católicos e com capacidade para exercer múltiplas funções. No auge da arte barroca, sobretudo em Minas Gerais, no século dezoito, um bom sujeito docente passou a ser um artista leigo, ou seja, um profissional difusor do catolicismo. Eram em sua maioria mestiços, nascidos na colônia. Atuavam como empreiteiros, em oficinas, dispostos a atender às necessidades de irmandades e ordens terceiras.

Para ensinar e ser considerado bom, o sujeito docente deveria, nas oficinas de artes e ofícios, articular a temática religiosa, os modelos europeus com vistas à produção de um objeto artístico-religioso. A atuação polivalente, associada à devoção religiosa, era cobrada e valorizada, tanto em relação aos mestres como aos índios aprendizes.

Erinaldo Alves
Julho de 2007.
(trechos extraídos da Tese de doutorado. Ver indicação bibliográfica na coluna ao lado)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…