Pular para o conteúdo principal

Curso de História da Arte - Grátis e com profissionais renomados

Instituto Cultural Itaú e o Núcleo de Arte Contemporânea da UFPB
CURSO DE HISTÓRIA DA ARTE ITINERANTE – Itaú Cultural – agosto/2007 dias 27 – 28 – 29
Cronograma de JOÃO PESSOA:
Jorge Coli, Stella Teixeira de Barros e Fernando Cocchiarale
Inscrições por e-mail nactrincheiras@hotmail.com ou vermelhowagner@hotmail.com envie nome e telefone de contato.
Rua das Trincheiras. 275 centro - telefone (83) 3221 9630
IMPORTANTE: avisar os alunos que apenas no dia 27, o início da aula será às 9h40.

Data Aula Almoço Aula Docente

27 agosto (Tema 1) 10h00 as 13h00 13h00 as 15h00 15h00 as 17h00 Jorge Coli
28 agosto (Tema 2) 10h00 as 13h00 13h00 as 15h00 15h00 as 17h00 Stella Teixeira de Barros
29 agosto (Tema 3) 10h00 as 13h00 13h00 as 15h00 15h00 as 17h00 Fernando Cocchiarale

Os temas abordados serão os seguintes:

Bloco 1 - Abertura - Séc. XIX – Jorge Coli

• Antecedentes da arte moderna: do neoclassicismo ao impressionismo e neo-impressionismo.

Bloco 2 - Das vanguardas às primeiras bienais – Stella Teixeira de Barros

• As vanguardas de inicio do séc. XX; Bauhaus e Neoplasticismo holandês.
• Modernismo no Brasil: dos anos 10 aos anos 30 com Flávio de Carvalho.
• Anos 30 e 40: o retorno à figuração nos anos 30 e 40. O expressionismo abstrato nos EUA nos anos 50.
• As Bienais e as tendências abstrato-geometricas no Brasil: o concretismo e neoconcretismo.

Bloco 3 - A arte contemporânea: ontem e hoje – Fernando Cocchiaralle

• A emergência do Pop nos EUA: da liberação de novos materiais às performances e happenings, Land Art, Body Art e Arte Conceitual.
• Arte cinética e minimalismo; anos 80 e o retorno à pintura: transvanguardas na Europa e a nova geração brasileira.
• Tendências contemporâneas no mundo e o Brasil; a afirmação da fotografia, vídeo e filme por artistas.

PROFESSORES

JORGE SIDNEY COLI JUNIOR
Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1B
Graduação em História da Arte e Arqueologia - Universite D'Aix-Marseille I (Universite de Provence) (1973), mestrado em História da Arte e Arqueologia, Universite D'Aix-Marseille I (Universite de Provence) (1974) e doutorado em Filosofia (Estética) pela Universidade de São Paulo (1990). Atualmente é professor titular da Universidade Estadual de Campinas, coordenador de área da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, membro - Association des Historiens de l'Art Contemporain, membro da Associação de Intercâmbio Cultural Italo-Brasileira, membro - Brazilian Studies Association, advisor - Web Architecture Magazine, membro - Associationn Internationale des Critiques d'Art, consultor ad hoc - John Simon Guggenheim Memorial Foundation, consultor ad hoc - Universidad de Buenos Aires e membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte - membro da Associação Internacional de Críticos de Arte. Prêmio Gonzaga Duque, ABCA (melhor crítico de arte de 2003). Grande Prêmio Capes "Florestan Fernandes" (2006): orientador para o conjunto das grandes áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e Lingüística, Letras e Artes - tese de Maraliz de Castro Vieira Christo, Pintura, história e heróis no século XIX: Pedro Américo e Tiradentes Esquartejado para o conjunto das grandes áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e Lingüística, Letras e Artes. Prêmio Capes: orientador na área de História (2006), mesma tese acima. Prêmio de reconhecimento Acadêmico "Zeferino Vaz", 2006, outorgado pela Unicamp. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Moderna e Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, musica, cinema, estetica e historia da arte.
STELLA TEIXEIRA DE BARROS
Nasceu em São Paulo, onde vive e trabalha.
É mestra em Filosofia pela FFLCH-USP.
É curadora de exposições de artes visuais, crítica e pesquisadora de arte.
Entre outras curadorias, realizou a dos artistas brasileiros na 18ª Bienal Internacional de São Paulo (1989).
É professora de Estética e História da Arte do Departamento de Artes Plásticas da Faculdade de Artes Santa Marcelina.
Foi Diretora da Divisão de Artes Plásticas do Centro Cultural São Paulo (2001-2004) Atualmente é curadora convidada do acervo do Banco REAL ABN AMRO.
Tem diversos trabalhos publicados, entre os quais Perfil da coleção Itaú (Centro Cultural Itaú) e Gabinete de Papel – obras do acervo municipal (Centro Cultural São Paulo).
FERNANDO COCCHIARALE
Crítico de arte, curador e professor de filosofia da arte do Departamento de Filosofia da PUC-RJ (desde 1978) e do curso de especialização em história da arte e arquitetura do Brasil, da mesma universidade entre 1983 e 2005. É também professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Autor, com Anna Bella Geiger, do livro Abstracionismo Geométrico e Informal (Funarte) e de centenas de artigos, textos e resenhas publicados em livros, catálogos, jornais e revistas de arte do Brasil e do exterior. Foi curador-coordenador do programa Rumos Itaú Cultural Artes Visuais, das edições 1999 / 2000 e 2001 / 2002 e Coordenador de artes visuais da Funarte, entre 1991 e 1999; membro de júris e comissões de seleção de mais de 20 mostras e salões tais como o 10o , o 15o e o 16° Salões Nacionais de Artes Plásticas, Rio de Janeiro (em 1987, 1995 e 1998, respectivamente); e curador independente, entre outras, de exposições tais como O Moderno e o Contemporâneo, Coleção Gilberto Chateaubriand, MAM-RJ, 1981 (com Wilson Coutinho); Rio de Janeiro 1959 / 1960, Experiência Neoconcreta, MAM, RJ, 1991; O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira, Itaú Cultural, SP, 2005 (com Viviane Matesco); É Hoje na Arte Contemporânea Brasileira, Santander Cultural, RS, 2006 (com Franz Manata). Em novembro de 2000 assumiu a curadoria do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…