Pular para o conteúdo principal

Artigos para revistas

ARTE&ENSAIOSn.21 - 2010 – CHAMADA PARA COLABORAÇÕESRio de Janeiro, 16 de maio de 2010.
Caros(as) professores(as) e interessados(as),

Arte&Ensaios, revista semestral organizada pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da EBA/UFRJ, tem-se destacado pela publicação de textos relevantes para o campo das artes visuais, contando com a colaboração de autores nacionais e estrangeiros.
Estamos preparando a 21a edição, a ser lançada em dezembro de 2010. Indicamos que o tema desse número é “Ficções”.
O prazo para entrega das propostas é 23 de agosto de 2010. A seleção será feita a partir de pareceres do conselho e equipe editorial da Arte&Ensaios. Será considerada para avaliação a primeira versão recebida (reenvios, com modificações posteriores, serão ignorados).
Autores que já tiverem artigos publicados em números anteriores devem cumprir o período de 2 anos para nova edição.
As propostas deverão ser inéditas, e o colaborador deverá garantir o direito de exclusividade à Arte&Ensaios até o prazo de lançamento da revista ou o recebimento do parecer do conselho editorial.
Relembramos aos colaboradores que os artigos submetidos e publicados na revista serão posteriormente disponibilizados online no site da Arte&Ensaios.
Nos dados do autor devem constar: e-mail, endereço postal e telefone para contato.
As especificações técnicas para artigos e resenhas devem ser criteriosamente cumpridas. Os arquivos devem ser enviados para o e-mail arte.ensaios@gmail.com (texto e imagens) e também pelo correio, em mídia digital (CD) e impressão em duas vias (Word, Times New Roman, corpo 12, espaço 1,5), contendo, no caso de artigos:

- Mostrar texto das mensagens anteriores -
· texto de até 10 laudas, com no máximo quatro mil palavras; sem espaço de parágrafo, que deve ser indicado por linha em branco;
§ os subtítulos não devem ser numerados;
§ citações de até duas linhas, no corpo do texto, em fonte normal e entre aspas; com mais de duas linhas, recuadas, em itálico, sem aspas;
§ títulos de livros, periódicos, telas, esculturas, filmes e vídeos em itálico sem aspas; § títulos de poemas e músicas em fonte normal;
§ palavras em idiomas estrangeiros em itálico (sem aspas, a menos que seja citação), à exceção do jargão da área, como, por exemplo, readymade, marchand, etc.;
§ os séculos devem ser grafados em algarismos arábicos. · resumo do artigo com no máximo 55 palavras (versões em português e em inglês);
· quatro palavras-chave; · dados do autor; ·
notas no final do texto, numeradas em algarismos arábicos; nas notas devem ser incluídas as referências bibliográficas usando apenas sobrenome do autor (só a inicial maiúscula), ano da obra e página;
· bibliografia: sobrenome do autor (todas as letras maiúsculas), nome. Título da obra (se livro ou tese, em itálico; se artigo ou capítulo, em fonte normal e seguido de “in” e da referência nos moldes de livro). Cidade em que foi publicado (ou defendida, no caso de tese) seguida de dois-pontos. Editora (ou universidade, no caso de tese), ano. · caso as notas incluam toda a bibliografia a ser citada, fazer a referência completa de cada obra na primeira citação e dispensar o item bibliografia;
· imagens podem ser incluídas no CD ou enviadas em cópias em papel fotográfico com as seguintes especificações:
§ no mínimo uma (de 20 x 25cm, com resolução de 300dpi, de preferência na vertical, pois será incluída na página que antecede o texto) e no máximo três opcionais (de 15 x 20cm, com resolução de 300dpi, que serão incluídas nas páginas de texto).
§ as imagens em cópia fotográfica devem medir 20 x 25cm. · legendas das imagens com dados da obra e a fonte em que foi obtida (livro, /site/, etc.) devem ser colocadas no final do artigo proposto seguindo o padrão abaixo: Lygia Pape Caixa Brasil, 1968, madeira, papelão, cabelo e letra metalizada, feltro. 5x30x25cm Fonte: Duarte, Paulo Sergio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Campos Gerais, 1998.
E, no caso de resenhas – cujo critério principal é atualidade do tema (no máximo 3 anos para publicações e 2 para exposições) – , devem conter: · dados do livro resenhado (título, autor, cidade, editora e ano) ou da exposição (título, local, cidade e datas de inauguração e término); · texto de no máximo duas laudas, sem espaço de parágrafo, que deve ser indicado por linha em branco;
§ citações de até duas linhas, no corpo do texto, em fonte normal e entre aspas; com mais de duas linhas, recuadas, em itálico, sem aspas;
§ títulos de livros, periódicos, telas, esculturas, filmes e vídeos em itálico sem aspas; § títulos de poemas e músicas em fonte normal;
§ palavras em idiomas estrangeiros em itálico (sem aspas, a menos que seja citação), à exceção do jargão da área, como, por exemplo, readymade, marchand, etc.;
§ os séculos devem ser grafados em algarismos arábicos. · nome do autor da resenha no final do texto. O material enviado não será devolvido.
Agradecemos desde já sua colaboração,
Ana Cavalcanti e Maria Luisa Tavora
As editoras Contato para dúvidas e envio de artigos e resenhas: arte.ensaios@gmail.com
Revista /Arte&Ensaios – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais Avenida Pedro Calmon, 550, 7o andar, sala 704, Prédio da Reitoria
Cidade Universitária – Rio de Janeiro/RJ – Cep 21941-901 – Tel. (021) 2598-1643
www.eba.ufrj.br/ppgartesvisuais

(Erinaldo Alves)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…