Pular para o conteúdo principal

Sociólogo Michel Maffesoli fala da retomada de manifestações juvenis – Por Gabriel Brust


Compartilhado de Zero Hora
Por Gabriel Brust*
Michel Maffesoli
Michel Maffesoli
Um dos sociólogos mais originais e controversos da França, Michel Maffesoli viu nas manifestações contra o preço da passagem de ônibus em Porto Alegre o retorno da mobilização juvenil de uma forma particular:
– Não há mais uma grande causa, a “sociedade perfeita do amanhã que vamos construir pela política”, mas, ao contrário, a preocupação cotidiana.
Da mesma forma, os protestos contra as posições supostamente homofóbicas e racistas do deputado Marcos Feliciano, para o pensador, se inserem no contexto de um elemento chave da pós-modernidade: o deslocamento das causas racionais para as emocionais. Tudo isso tendo como pano de fundo um retorno ao coletivismo, ainda que de uma forma bastante específica. Iconoclasta, Maffesoli costuma entrar com conflito com o senso comum intelectual ao afirmar que o individualismo acabou. Vivemos o tempo das tribos, afirma ele, de formas de sociabilidade muito sutis e diferentes das modernas. Mas que se manifestam no desejo de “de estar-junto à toa” – um dos conceitos de uma lista de definições originais da obra do sociólogo, como “enraizamento dinâmico”, “socialidade” e “razão sensível”.
Na última terça-feira, Maffesoli recebeu Zero Hora em seu apartamento em Paris, de onde avista o secular prédio da Sorbonne, para explicar como foi que a nova geração substituiu a razão pela imaginação, o trabalho pela criação e o progresso pelo presente.
Zero Hora – Se estamos impressionados com as manifestações em Porto Alegre, é porque estávamos desacostumados com elas. Houve um momento em que elas desapareceram?
Maffesoli – Sim, minha hipótese é de que um pouco por toda parte houve grandes mobilizações políticas nos anos 1960 e 1970, pelo menos na Europa e nos EUA. Mas havia mobilização em função de um projeto, que podia ser a revolução, a reforma ou mesmo a social-democracia. A partir dos anos 80, houve um progressivo e constante enfraquecimento dessas mobilizações. Até o desaparecimento. A palavra usada na França na época foi “indiferentismo”: uma lenta degradação da ação política. Eu explico esse fenômeno no meu livro A Transfiguração do Político (Sulina, 1997). Essa grande figura do político que fazia com que pudéssemos pensar a sociedade do amanhã, o mais tarde, estava acabando.
ZH – Por quê?
Maffesoli – Minha hipótese é de que nos anos 80 começa o grande ciclo da pós-modernidade. Não é mais o futuro que importa, e sim o presente. Na França, houve uma espécie de lenta e constante degradação do sindicalismo juvenil e dos partidos políticos. É o sinal técnico quantitativo de que não havia mais o sentimento de projeção para o futuro. Em duas ou três décadas vimos [desaparecer] a palavra da moda, de Sartre, “engaje-se!”, que era quase uma obrigação moral, a necessidade de agir por um mundo melhor, perfeito, etc. Esse é o diagnóstico. Agora, o prognóstico: me interessa muito isso que houve em Porto Alegre porque estamos vendo a volta de um processo de mobilização juvenil, mas pelo cotidiano. Não é mais uma grande causa, a “sociedade perfeita do amanhã que vamos construir pela política”, mas, ao contrário, a preocupação cotidiana. Na França, por exemplo, é o movimento contra os aluguéis caros. O que vemos entre os “indignados” não é mais engajamento, porque engajamento é racional. Aqui a indignação é emocional. E o emocional vai ser forte, pontual e processado rapidamente até outro pretexto surgir.
ZH – As causas das grandes manifestações no Brasil hoje são, por exemplo, transporte público e a suposta homofobia de um deputado. Manifestações contra a corrupção não são expressivas, mesmo que haja condenados do mensalão presidindo comissões do Congresso.
Maffesoli – Isso não me surpreende. As palavras-chave são: racional e emocional. A corrupção é racional. É lutar contra algo que racionalmente não vai bem. No entanto, a homofobia e o casamento homossexual batem no estômago. A pós-modernidade é histérica. Não no sentido pejorativo, mas no sentido do útero, histerus. O que retorna agora é o que está ligado à vida cotidiana. Não o télos, mas a proxémia. Tudo vai ser ocasião, pretexto, para essas grandes indignações coletivas, porque o ar do tempo é emocional. O imaginário está mudando.
ZH – Tais movimentos comprovam que o individualismo acabou, como o senhor defende há tempos?
Maffesoli – Para mim o individualismo terminou na sociedade “oficiosa”, não na “oficial”. Eu faço a distinção. A sociedade oficial, das instituições, é onde há ainda individualismo, ou seja, é racional. É a famosa ideia cartesiana: eu penso. É a frase mágica para compreender a modernidade e é racional: eu, o indivíduo. E está na base do contrato social, que foi o grande momento da modernidade. Agora, ao contrário, é próprio das emoções esse deslocamento do jogo para o nós. Quando vejo manifestações aqui da minha janela, vejo o “nós”. É o deslocamento do racional para o emocional. É um pretexto para o “estar junto”. Eu chamo de “socialidade sem finalidade ou utilidade”. Há essa espécie de desejo de tocar o outro.
ZH – Associar individualismo e internet faz sentido?
Maffesoli – É um erro grosseiro. A internet é o “nós”. No Facebook, há o lado da agregação, do estar-junto, de compartilhar fotos. Há o discurso, mas também a foto, o lado emocional. É sempre o desejo de estar em contato com o outro. E não há vida privada. Heidegger foi o primeiro a refletir sobre a técnica e, no fim de sua vida, por pura intuição, sem conhecer a internet (risos), disse que estávamos passando da era do eu para a era do nós. Vejamos o famoso flashmob: ele faz com que, por razões lúdicas, políticas ou festivas, nos encontremos. É um erro ver um retorno ao individualismo graças à internet. É o exato contrário. Há uma grande desconfiança de parte da intelligentsia contra a internet porque percebem que não é mais a razão do indivíduo que predomina, mas as emoções coletivas.
ZH – Os partidos políticos pouco têm participado das manifestações no Brasil. Eles estão em vias de extinção?
Maffesoli – Na Europa, vemos que a nova geração não se engaja mais. Posso lhe dar um número: quando há eleições de estudantes nas universidades, a taxa de participação é de 1,3%. Em outras eleições, há uma taxa de abstenção muito grande e é particularmente alta na população entre 18 e 24 anos. Meu prognóstico é que isso que chamamos em Sociologia de Forma Política é uma forma do século 19: mobilização de energias individuais por um projeto futuro. Vemos o colapso dos partidos políticos. O ponto onde essa erosão é maior na França está nas alas jovens dos partidos políticos. No entanto, é porque não há mais essa projeção para o futuro que há, por exemplo, os flashmobs ou o protesto contra o transporte público.
ZH – Essa geração de jovens é compreendida?
Maffesoli – Não. Eles são o que eu chamo “a sociedade oficiosa”: a sociedade au noir, na sombra, escondida, que não se sente mais representada. Mas que não vai afrontar a sociedade oficial. E vai criar os seus próprios espaços, que eu chamo utopias intersticiais: um lugar para se encontrar, cantar, eventualmente protestar, tirar proveito das reuniões para estar junto. O tripé dos valores modernos da sociedade oficial é: razão, trabalho e progresso. A nova geração acentua não o trabalho, mas a criação. Não o progresso, mas o presente. Não a razão, mas a imaginação. Há um fosso, pelo menos por enquanto, entre o oficial e o oficioso.
*Gabriel Brust é jornalista, Mestre em Sociologia pela Université Paris V – Sorbonne

(Erinaldo Alves)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…