Pular para o conteúdo principal

Viúva: Cabo Bruno matava para imitar ator e queria perdão das vítimas

01 de outubro de 2012  01h31

Assassinado na última quarta-feira pouco mais de um mês após deixar a prisão, depois de 27 anos de pena, Florisvaldo de Oliveira, conhecido como Cabo Bruno, queria pedir perdão para a família das mais de 50 pessoas que matou quando chefiou um esquadrão da morte da polícia nos anos 80, segundo depoimento de Dayse França, viúva do ex-policial. "Ele queria o endereço de todo mundo. Ele precisava pedir perdão mesmo que não aceitassem. Algumas perdoaram, retornavam com cartas. Algumas mandavam ele para o inferno, diziam que não queriam saber", diz Dayse em entrevista ao Fantástico. Na prisão, Cabo Bruno se converteu à Igreja Evangélica e se tornou pastor, como a mulher. Durante um culto, ele falou sobre os crimes do passado e afirmou ser um novo homem. "Como pode, depois de tudo que esse homem fez, de toda barbárie que ele cometeu, como pode Deus perdoar uma pessoa dessa forma? A única coisa que eu sei é que o nosso Deus é um Deus de misericórdia. É um Deus de perdão", pregou.
"Ele falou 'não existe esquadrão da morte, nunca existiu. Nunca envolvi ninguém. Era eu sozinho. Eu errei sozinho'", conta a viúva, que aponta uma inspiração para os assassinatos cometidos pelo marido: "ele imitava até o jeito de vestir do Charles Bronson. Ele queria ser igual. Ele achava (que podia fazer justiça com as próprias mãos). Não justifica, mas foi isso", explica. Cabo Bruno teria mudado após se converter: "ele viu que o Cabo Bruno não era nada. Quem era ele diante de Deus? Aí que ele começa a mudar. O homem que eu conheci era doce", declara Deisy, que diz não ter visto detalhes do assassinato do marido, apesar de estar no mesmo carro que ele quando foram abordados. "Ele abaixou para poder sair, ainda de costas, e começaram os tiros. A gente não viu nada. Estava escuro, chuviscando. Eu falava para ele 'não me deixa, como é que eu vou viver sem você?'", relata.
Morte misteriosa
Florisvaldo de Oliveira, conhecido como Cabo Bruno, foi assassinado no fim da noite do dia 26 de setembro, em Pindamonhangaba, pouco mais de um mês depois de deixar a penitenciária Doutor José Augusto César Salgado, no município vizinho de Tremembé, após cumprir 27 anos de prisão.
De acordo com a Polícia Civil, Oliveira voltava de um culto religioso com a família, por volta das 23h50, e já estava próximo da residência onde vivia quando foi abordado por dois homens. Ele desceu do carro e sofreu cerca de vinte disparos, a maioria no rosto e no abdômen, morrendo já no local. Os parentes, que ficaram dentro do veículo, saíram ilesos e nada foi roubado.
Fonte:
(Erinaldo Alves)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RCNEI - Resumo Artes Visuais

Introdução:

As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentidos a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por vários meios, dentre eles; linhas formas, pontos, etc.
As Artes Visuais estão presentes no dia-a-dia da criança, de formas bem simples como: rabiscar e desenhar no chão, na areia, em muros, sendo feitos com os materiais mais diversos, que podem ser encontrados por acaso.
Artes Visuais são linguagens, por isso é uma forma muito importante de expressão e comunicação humanas, isto justifica sua presença na educação infantil.

Presença das Artes Visuais na Educação Infantil:
Idéias e práticas correntes.

A presença das Artes Visuais na Educação Infantil, com o tempo, mostra o desencontro entre teoria e a prática. Em muitas propostas as Artes Visuais são vistas como passatempos sem significado, ou como uma prática meramente decorativa, que pode vir a ser utilizada como reforço de aprendizagem em vários conteúdos.
Porém pesquisas desenvolvidas em diferentes campos das ciências …

Arte como Educação e Cidadania - Por Ana Mae Barbosa

"Não é possível conhecer um país sem conhecer e compreender sua arte - essa é a opinião da professora Ana Mae Barbosa, da Escola e Comunicações e Artes da USP. "Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se ele tem uma alta produção e também uma alta compreensão dessa produção", declara. "A linguagem visual nos domina no mundo lá fora e não há nenhuma preocupação dentro da escola em preparar o aluno para ler essas imagens. O público quer conhecer; falta educação para a arte".
Na opinião de Ana, os professores do ensino fundamental e médio costumam priorizar a linguagem científica e discursiva, mas é preciso que o aluno tenha também uma alfabetização visual para compreender a linguagem que o rodeia em outdoors, na televisão, no computador. "É importante entender arte, que é a representação do país por seus próprios membros", ela ressalta. "E a configuração visual do país é dada pelas artes plásticas".
Ana afirma que até a décad…

Como fazer uma animação com bonecos!

Não é tão difícil fazer uma animação com bonecos e dá para ensinar aos seus alunos a partir de um passo a passo super simples e fácil que eu encontrei aqui pela internet onde explica para crianças como fazer uma animação com bonecos e curiosidades sobre como são feitos os filmes de animação com massa de modelar:

Conheça o passo a passo da animação com bonecos:

A primeira coisa a fazer é pensar na história e desenvolver um roteiro. Pode ser algo do tipo: "Um homem vai à padaria comprar pão, mas esquece o pão lá".

É feito o storyboard: quadrinhos com desenhos de cada cena, mostrando como será a ação do boneco e o enquadramento da câmera.

O modelista começa a construir os bonecos e cenários.

Com cenários e bonecos prontos, é hora de pensar na iluminação, como em uma filmagem convencional.

Começa a animação. São feitas 24 fotos para cada segundo de filme, que ao serem projetadas na seqüência, criam a sensação de movimento. Dependendo da ação, é possível reduzir esse número para 12 fot…